psicologia masculina parágrafo Ganhar-lo de volta

psicologia masculina parágrafo Ganhar-lo de volta

psicologia masculina parágrafo Ganhar-lo de volta

Conteúdo

etimologia Editar

Técnicas de masturbação Editar

Maneiras de se masturbar Comum AOS Membros de Ambos OS sexos incluem pressionar OU esfregar a área genital, SEJA COM OS DeDos UO contra hum Objeto, Como hum travesseiro; introduzir OS DeDos OU UM Objeto não (anal Veja masturbação) ânus; e estimulando o pênis OU vulva com vibradores Elétricos. that also PODE sor inserido na UO vagina, sem ânus. Membros de Ambos OS sexos TAMBÉM PODEM desfrutar de tocar, esfregar OU OS beliscar mamilos OU OUTRAS Zonas erógenas enquanto se masturbava. sexos Ambos OS, Por vezes, substancias aplicar Lubrificantes Para intensificar a sensação.

Ler UO um pornografia ver. OU fantasia sexual. São adjuntos MUITAS vezes Comuns a masturbação. MUITAS vezes como PESSOAS VAO invocar Memórias Durante a masturbação. masturbação Actividades São frequentemente ritualizada. Vários fetiches e parafilias PODEM TAMBÉM desempenhar UM papel sem masturbação ritual. Algumas Atividades potencialmente prejudiciais OU Fatais incluem asfixia auto-erótica e auto-Escravidão.

Homens e Mulheres PODEM se masturbar Até Que estejam Perto do orgasmo, Parar Por Um ritmo parágrafo Recolher uma excitação, e em SEGUIDA, retomar masturbando. PODEM repetir este ciclo varias vezes. este "pare e Vá" build-up PODE alcançar orgasmos AINDA Mais Fortes. Raramente, como PESSOAS uma Parar um Estimulação APENAS Antes do orgasmo parágrafo Manter a Energia Elevada Que normalmente VEM parágrafo Baixo Apos o orgasmo [9]. Fazer ISSO PODE Levar um hum desconforto Temporário devido à congestão pélvica.

psicanalista austriaco Wilhelm Reich em Seu Ensaio 1922 No Que Diz Respeito Formas Específicas de Masturbação Procurou-se identificar Formas Saudáveis ​​e NÃO Saudáveis ​​de masturbação. ELE tentou relacionar a forma como Como PESSOAS se masturbava com Seu grau de inclinação PARA O sexo oposto e SUAS patologias psico-Sexuais.

feminino Editar

Posições Comuns incluem deitado de costas Ou de bruços, sentada, de cócoras, de joelhos Ou de pé. Em hum banho OU duche, uma mulher PODE direcionar a Água da Torneira em Seu clitóris e vulva. Deitado de bruços PODE-SE USAR como Mãos, PODE-SE escarranchar hum travesseiro, o canto UO uma borda da cama, uma perna de Um Parceiro OU Alguma roupa amassado-up e esfregando um e vulva clitóris contra Ele. Levantando-se n’uma Cadeira, nenhum canto de Uma Peça de Mobiliário OU MESMO Uma máquina de lavar PODE Ser USADO parágrafo estimular o clitóris ATRAVES fazer Lábios e Roupas.

Terapeutas OS fazer sexo, Por vezes, ira recomendar that patients fazer sexo feminino ter ritmo Pará se masturbar Ate O orgasmo, especialmente se Eles Não o fizeram antes. [14] [15]

Editar Masculino

A Técnica de masturbação masculina Mais Comum E Simplesmente parágrafo Manter o pênis com hum PUNHO solto e, em SEGUIDA, parágrafo motor A Mão Para cima e Para Baixo o Eixo Até Que o orgasmo e ejaculação ocorra. A Velocidade do Movimento da Mão IRA variar de pessoa Pará pessoa, embora NÃO E Incomum Para a Velocidade um Aumentar à Medida Que se aproxima da ejaculação e POR ISSO um Diminuir Durante o PRÓPRIO ejaculação. QUANDO incircunciso, a Estimulação do pênis Desta forma VEM da "bombeamento" fazer prepúcio. Este Movimento de deslizamento do prepúcio reduz o atrito. circuncidados QUANDO, Há Mais Contacto Directo Entre A Mão e a glande, Assim, um Lubrificante Pessoal e POR vezes Utilizado parágrafo Recolher o atrito. Às vezes, se demasiada pressao E Aplicada, PODE Ser esfregado parágrafo ferida de Cada Vez.

Circuncidado OU NÃO, OS Homens PODEM esfregar OU massagear a glande. a borda da glande, EO frenular delta.

Outra Técnica e Colocar Apenas o dedo indicador EO Polegar em torno do pénis na Metade do Caminho Ao Longo do pénis e mover um Pelé Para cima e Para Baixo. Uma Variação Deste E Colocar OS DeDos EO Polegar Sobre o pênis Como se Jogando Uma flauta, E Depois shuttle-los e de para Trás. Outra Técnica Comum E deitar de bruços Sobre Uma superficie Confortável, Como hum colchão OU travesseiro e esfregar o pênis contra ELA Até Que o orgasmo E alcançado. This Técnica PODE Incluir o Uso de hum simulacro. UO na vagina artificial.

Existem MUITAS OUTRAS Variações Sobre Técnicas masturbação masculina. Alguns Homens coloque As Duas Mãos diretamente em Seu pênis Durante a masturbação, enquanto Outros Usam A SUA Mão Livre para acariciar SEUS testículos. mamilos. Ou de OUTRAS Partes do Seu Corpo. Alguns PODEM Manter A SUA Mão estacionario enquanto bombeando-o com Movimentos pélvicos, uma FIM os de simular Movimentos de Relações Sexuais. Outros TAMBÉM PODEM utilizar vibradores e Outros Dispositivos Sexuais Mais comumente Associados com a masturbação feminina. Alguns machos Extremamente Flexíveis PODEM alcançar e estimular o Seu pênis com a língua OU Lábios, e ASSIM Realizar autofellatio.

A próstata e Um dos Órgãos that contribui PARA O fluido do sémen. À Medida Que a próstata E Sensível Ao toque, Alguns Estimula-la Directamente utilizando hum dedo Bem lubrificada OU vibrador inserida atraves do ânus PARA O recto. Estimular a próstata a Partir do exterior, Por Meio de pressao Sobre o períneo. PODE Ser Agradável also. Alguns Homens, TAMBÉM, desfrutar de Estimulação anal, com OS DeDos Ou de Outra forma, sem QUALQUÉR Estimulação da próstata.

A Técnica de Controle da ejaculação hum tanto controverso E Colocar pressao Sobre o períneo. a meio Caminho Entre o escroto EO ânus. POUCO as antes de ejacular. ISTO PODE, não entanto, redireccionar sémen parágrafo a bexiga (referido Como ejaculação retrógrada). Se repetida em base de Uma regular, ESTA Técnica PODE causar Danos a Longo Prazo, devido à pressao Sobre os Nervos e vasos sanguíneos no períneo.

masturbação mútua Editar

masturbação Mútua E UM ATO EM sexual Duas that UO Mais PESSOAS estimular a si mesmos OU UNS AOS Outros sexualmente, geralmente com como Mãos.

E parte de hum Repertório completo de intercurso sexual, Onde PODE Ser Utilizado Como hum Intervalo, Preliminares, OU Como Uma alternativa à penetração. Para algumas PESSOAS, sexo sem penetração frottage OU E uma Atividade sexuais Primária de ESCOLHA Acima de Todos Outros OS. Os Participantes Que NÃO Querem Relação sexual completa, ASSIM, AINDA desfrutar de hum ato Mútua sexual.

Frequência de masturbação, Idade e sexo Editar

Diferentes Estudos descobriram Que a masturbação E Frequente em Humanos. Os Estudos de Alfred Kinsey TEM mostrado that 92% dos Homens e 62% das Mulheres Já se masturbou Durante um SUA vida Útil. [13] Resultados semelhantes were encontrados em Uma Pesquisa de Probabilidade Nacional Britânico. Verificou-se that 95% dos Homens e 71% das Mulheres se masturbou Em Algum momento de SUAS vidas. 73% dos Homens e 37% das Mulheres relataram masturbando NAS Quatro Semanas Antes de SUA entrevista, enquanto 53% dos Homens e 18% das Mulheres relataram masturbando Nos Últimos sete dias. [20]

"Quarenta e Oito Estudantes Universitários do sexo feminino were Convidados a preencher hum Questionário atitudes Sexuais em Que a Frequência de escala masturbação foi INCORPORADO. Vinte e Quatro das Mulheres (o grupo experimental), em SEGUIDA, individualmente visto Um Filme de Modelagem Explicita envolvendo a masturbação feminina. Um Mês DEPOIS, de Todos os assuntos Novamente completaram o MESMO Questionário. individuos OS nenhum grupo also experimental completaram hum procurar questionário avaliando Aspectos do Filme. Os Resultados indicaram Que o grupo relatou experimental hum aumento significativo na Frequência Média mensal da masturbação, em Comparação com o grupo de Controlo. Este MESMO grupo, não entanto, relataram that O Filme NÃO Teve Nenhum Efeito Sobre as atitudes UO Comportamento sexual."

o AGORA Pesquisa da revista Diz Que a Frequência de quedas de masturbação APOS A Idade de 17. MUITOS Homens se masturbam Diariamente, OU MESMO Mais freqüentemente, Bem EM SEUS 20s e As vezes Muito além. Este ao declínio e Mais drástica Entre as Mulheres, e Mais Homens graduais Entre OS. Enquanto como Fêmeas com Idade Entre 13-17 masturbava Quase Uma Vez por día, em meios de comunicação (e Quase Tão frequentemente Como SEUS pares do sexo masculino), as Mulheres Adultas Única masturbava 8-9 vezes Mês POR, em Comparação com um 18-22 Entre Homens OS. Jovens adolescentes relatam Ser Capaz de se masturbar parágrafo a ejaculação em torno de SEIS vezes por día, embora Alguns Homens Mais Velhos Relatório da meia-Idade Que ESTÁ Sendo duramente pressionado parágrafo ejacular Até MESMO Uma Vez por día. Por Outro Lado Homens Saudáveis ​​21-28 ano de Idade São capazes de se masturbar Pelo Menos 8-10 vezes por día, se Eles Não estao estressados. A Pesquisa NÃO da Uma quebra demográfica completa dos entrevistados, não entanto, a História sexual dos entrevistados Para esta Pesquisa, Que São Leitores de Uma revista de estilo de vida urbano Toronto, NÃO PODE estender-se à População los Geral.

Parece Que as Mulheres São Menos propensos a se masturbar enquanto em Uma Relação heterossexual fazer Homens Que OS. Crença popular, Afirma Que OS individuos de Ambos OS sexos that NÃO estao em Relacionamentos sexualmente Ativas tendem a se masturbar com Mais Frequência fazer that aqueles Que São; No entanto, grande parte do Tempo ISSO NÃO É Verdade, Como a masturbação Sozinho OU COM UM Parceiro E frequentemente Uma Característica de hum Relacionamento. Ao Contrário da Sabedoria convencional, Vários Estudos na Verdade revelam Uma Correlação positiva Entre a Frequência de masturbação e uma Frequência das Relações Sexuais. Um Estudo relatou Uma taxa significativamente Maior de masturbação em Homens e Mulheres gays Que estavam em hum Relacionamento. [23] [20] [24] [25]

Entre algumas Culturas, Como o Hopi não Arizona. o Wogeno na Oceania. e OS Dahomeans e Namu da África, a masturbação E incentivada, incluíndo a masturbação regular de machos entre. Em Certas comunidades melanésias ISSO e esperado Entre Meninos Mais Velhos e Mais Jovens. Uma Característica Interessante e uma tribo Sambia da Nova Guiné. This tribo TEM rituais e ritos de Passagem masculinidade circundante Que envolvem a ejaculação Frequente atraves de felação. Semen E valorizado e masturbação E visto Como hum Desperdício de sêmen e, portanto, de e desaprovada, MESMO Que a ejaculação Frequente E incentivada. A CAPACIDADE e necessidade de ejacular E alimentada POR ANOS DE Uma Idade precoce ATRAVES fellatio para quê ELE POSSA Ser consumido em vez de desperdiçado. O sémen E ingerida POR Força e E considerado na MESMA Linha Que o leite materno. [26]

Masturbação E tornar-se Aceito Como Uma Prática Saudável E MÉTODO seguro parágrafo A Partilha de prazer sem Alguns dos perigos that PODEM acompanhar a Relação sexual. ELE E Socialmente Aceite e ATE MESMO EM Celebrada certos círculos. eventos masturbação grupo PODE Ser fácilmente Encontrado on-line. maratonas de masturbação São eventos Anuais e estao ocorrendo em Todo o Mundo. ESSES eventos proporcionam hum ambiente favorável em Que a masturbação PODE Ser realizada Abertamente Entre Jovens e Velhos, sem constrangimento. Os Participantes Falar Abertamente com OS espectadores enquanto se masturbava parágrafo compartilhar Técnicas e descrever o Seu prazer. [29] [30]

utilitario Editar evolutiva

Masturbação PODE Aumentar a Fertilidade Durante a sexual Relação.

Nºs machos, a masturbação libera espermatozóides Idade, com baixa motilidade fazer trato genital do macho. Um ejaculado Proxima, em SEGUIDA, Contém espermatozóides Mais fresco, Que Tem Maiores chances de alcançar A Concepção Durante a sexual Relação. Se Mais do Que hum macho TEM um Relação sexual com Uma Fêmea, o esperma com o Maior motilidade IRA competir Mais eficazmente. [33] [34] [35]

Saúde e Efeitos Psicológicos Editar

Benefícios Editar

Os Benefícios Físicos da masturbação e ter hum orgasmo OU ejaculação cria Elevada excitação enquanto OS cursos de adrenalina atraves do Corpo, produzindo o Rosto corado, Respiração superficial e euforia pós-clímax. [36] Ela e realizada em MUITOS círculos de Saúde mental, Que a masturbação PODE ALIVIAR a Depressão [Como Referência e Link para o resumo texto OU]. estresse e levam um hum Maior senso de auto-estima (Hurlbert & Whittaker, 1991). Masturbação TAMBÉM PODE Ser particularmente Útil em Relacionamentos Onde hum dos Parceiros Quer Mais sexo fazer that O Outro – Caso em Que a masturbação fornece hum Efeito de Equilíbrio e, portanto, Uma Relação Mais harmoniosa. [37]

Alguns Profissionais consideram a masturbação funcionar Como hum Treino cardiovascular. [41] A Investigação Embora AINDA E AINDA escassa, aqueles Que sofrem de Doenças Cardiovasculares (particularmente aqueles recuperando de infarto do miocárdio OU Ataques cardíacos) DEVE retomar a Atividade Física (incluíndo a Relação e masturbação sexual) de forma gradual e com uma periodicidade e rigor Que o Seu estado físico permitirá. This limitação PODE SERVIR Como incentivo para seguir Você com sessões de fisioterapia Para Ajudar a melhorar a Resistência.

Editar um arterial pressao

Ambos sexo e masturbação Baixar a pressao arterial. Um Pequeno Estudo mostrou that in hum grupo de teste, Ultima Relação completa resultou na menor média dos vasos arteriais pressao em Situações estressantes. Masturbação, em SEGUIDA, Levou um Uma pressao arterial Mais Baixa do that nenhuma Atividade RECENTE sexual. [42]

Inserção Editar

Objetos inseridos na vagina, o ânus / reto OU uretra DEVE Ser Limpo e de hum tipo that NÃO vai arranhar OU quebrar. Cuidados devem Ser tomados parágrafo NÃO inserir Totalmente QUALQUÉR Coisa nenhuma ânus – QUALQUÉR Objeto USADO DEVE ter de base Uma Queimado flange UO; Caso contrario a Recuperação PODE exigir Intervenção médica. dildos Modernas e plugs anais São Projetados com ESSE recurso.

Gravidez Editar

Problemas parágrafo OS HOMENS Editar

Compulsivo Editar masturbação

Sigmund Freud argumentou Que Toda Criança normais geralmente Experiências com Vários Tipos de Estimulação sexual auto-erótico. repressões Sociais da Sexualidade atingiu Seu pico na era vitoriana, Quando Autores populares escreveu Livros Que ameaçam as Crianças com Deficiência OU mentais insanidade se o espectáculo de QUALQUÉR forma de masturbação. Na Verdade, Não há nenhuma Evidência Científica de QUALQUÉR Relação causal Entre um auto-erotismo e QUALQUÉR forma de Distúrbio mental. Embora PESSOAS COM Distúrbios mentais mostram caracteristicamente Julgamento pobre em expressar a Sexualidade, ISSO PODE Ser entendido Como hum sintoma e NÃO Uma causa. Cada Criança no entanto, Aprender desen como limitações Sociais e Legais adequadas em Matéria de expressar a Sexualidade. Masturbando com Frequência NÃO apresenta Nenhum Risco físico, or mental, emocional em si, [46], mas a masturbação PODE Ser USADO parágrafo ALIVIAR o tédio OU estresse. Em AMBOS OS Casos, Como Acontece com QUALQUÉR "hábito nervoso", E Mais Útil considerar como Causas do tédio OU fazer stress, em vez de tentar reprimir a masturbação. [47]

Há Alguma DISCUSSÃO Entre OS Profissionais e Outras contraditório interessadas Quanto à existencia OU Validade de Vícios Sexuais. No entanto, existem Listas de Sinais de alerta, Como when uma Atividade sexual afeta a CAPACIDADE da pessoa parágrafo funcionar na cotidiana vida, OU SEJA colocando-os em Risco, Por Exemplo, de Exercer Actividades ilegais OU destrutivas. masturbação Muito Frequente e compulsivo PODE Ser visto Como hum Sinal de vício sexual. [48]

Masturbação na História e da sociedade Editar

Antiguidade Editar

Há Representações de masturbação masculina em pinturas rupestres pré-Históricas Ao Redor do Mundo. A maioria das Pessoas Primeiros parecem ter um Sexualidade Conectado humana com Abundancia na Natureza. A estatueta de argila do 4º milênio aC A Partir de hum locais do Templo na ilha de Malta. descreve uma mulher se masturbando. [49] No entanto, NAS antigaz Representações Mundiais de masturbação masculina São MUITO MAIS Comuns.

DESDE OS Primeiros Registros, Antiga Suméria tinha Uma relaxada atitude em relaçao Ao sexo e masturbação Era Uma Técnica populares parágrafo Aumentar a Potência, SEJA OU Sozinho com hum Parceiro. [50] [51]

Gregos OS Antigos tinham Uma atitude Mais relaxada parágrafo a masturbação fazer that OS egípcios fizeram, Sobre o ato Como hum substituto normais e Saudável parágrafo OUTRAS Formas de prazer sexual. ELES consideraram that Uma válvula de Segurança contra a frustração destrutivo sexual. Os Gregos also Lidou com a masturbação feminina tanto na SUA arte e Escritos. Um termo Comum USADO POR ELE foi anaphlan, Que traduz Approximatif Como "-se-fogo".

Diogenes. Falando em tom de brincadeira, creditado o deus Hermes com uma SUA Invenção: ele supostamente Teve pena de Seu Filho Pan. Que estava ansiando POR eco, mas incapaz de seduzi-la, e LHE ensinou o Truque da masturbação, a Fim de ALIVIAR o Seu Sofrimento. Pan POR SUA vez, ensinou o hábito de Jovens pastores. [53]

pontos de vista Religiosos Editar

Religiões variam amplamente em SEUS pontos de vista de masturbação, desde Completamente inadmissível [54] Para encorajado Como forma de alcançar Uma Maior espiritualidade (ver, Exemplo POR, um Sexualidade Tântrica e Práticas Sexuais taoístas). Na moderna Igreja St. Príapo. masturbação grupo masculino E UMA forma de Adoração. [55]

Argumentos Filosóficos Editar

Immanuel Kant considerava a masturbação Como Uma violação da lei moral. Não Metafísica DOS Costumes (1797), ELE fez um a posteriori argumento de que ‘hum USO Tão POUCO naturais dos PROPRIOS Atributos Sexuais’ ‘todos Sobre o Seu Pensamento de que’ greves Como “uma violação do Dever a si mesmo”, e sugeriu Que ELE foi considerado Como imoral MESMO parágrafo LHE dar Seu Nome Próprio (ao Contrário fazer Caso de o ato semelhante undutiful de Suicídio). He continuou, não entanto, that reconhecer “não e Tao do facil de Produzir Uma Demonstração racional da inadmissibilidade de that o USO NÃO natural”, mas em jornal Última Análise, concluiu Que SUA imoralidade reside no Fato de que “um homem da Uma SUA Personalidade. .. QUANDO ELE EUA-SE APENAS Como hum Meio Para a Satisfação de uma Unidade animal “.

Críticos subsequentes de masturbação tendem a Argumentar contra ELA POR Razões Mais fisiológicas, não entanto (ver atitudes Médicas).

atitudes Médicas Editar

O Primeiro OSU da Palavra "onanismo" a referir-se de forma consistente e especificamente parágrafo masturbação Parece Ser Onania. hum panfleto anônimo Distribuído Pela Primeira vez em Londres, em 1716. He baseou-se em Assuntos Familiares do Pecado e fazer vício, desta vez em particular, o contra "pecado abominável" Faz "Auto-Poluição". DEPOIS de terríveis advertências that aqueles Que ASSIM o espectáculo Iria sofrer impotencia. gonorréia. epilepsia e hum Desperdício das Faculdades (incluido ERAM cartas e depoimentos supostamente de Jovens Doentes e moribundos dos Efeitos da masturbação compulsiva) o panfleto em SEGUIDA, passa para recomendar Como hum Remédio Eficaz um "Reforço Tintura" EM 10 shillings Uma garrafa e hum "prolífica Pó" EM 12 shillings hum Saco, disponiveis a Uma Loja Partir de local.

atitudes Médicas em Direção a masturbação começou a se mudar sem Início do Século 20, Quando H. Havelock Ellis. em Seu seminal 1897 Trabalho Estudos em Psicologia do Sexo. questionou instalações da Tissot, alegremente nomeados Homens famosos da Época Que se masturbava e, em SEGUIDA, Partiu Para refutar (com O Trabalho dos Médicos Mais Recentes) Cada Uma das Doenças reivindicadas dos Quais a masturbação era supostamente a causa. "Chegamos à CONCLUSÃO", ELE escreveu, "Que, não Caso da masturbação Moderada em, individuos bem-Nascidos Saudáveis, Não houve Resultados seriamente perniciosos necessariamente Seguir."

Como ano OS Obras de sexologo Alfred Kinsey de Durante 1940 e 1950 insistiu Que a masturbação era hum Comportamento instintivo parágrafo Ambos OS machos e Fêmeas, citando OS Resultados de Pesquisas Gallup Poll indicando Como era Comum Nos Estados Unidos. Alguns Críticos Desta Teoria considerou Que SUA Pesquisa era tendenciosa e Que o Método Gallup Poll era redundante parágrafo a Definição "Comportamento naturais".

Em 1994, Quando o Cirurgião Geral dos Estados Unidos, Dr. Joycelyn Elders, mencionado Como hum aparte, that DEVE Ser mencionado nsa Currículos Escolares Que a masturbação era seguro e Saudável, ELA foi forcada a demitir-se, [60] com OS adversarios afirmando Que Ela foi PROMOVER o ensino fazer Como se masturbar. MUITOS acreditam Que este foi o resultado de SUA longa História de PROMOVER pontos de vista controversos e NÃO Unicamente devido a SUA Menção pública da masturbação.

Um Desenho de Uma masturbação feminina

Um Desenho de Uma masturbação masculina

Masturbação na Outra Editar Espécies animais

masturbatória Comportamento TEM SIDO documentada em Uma Muito grande Variedade de Espécies. Individuos de algumas Espécies TEM SIDO conhecida um CRIAR Ferramentas parágrafo barbatanas de masturbação. [3]

Veja também Editar

Referências Editar

notas Editar

  1. Com base de em ↑ "masturbação" Dentro Collegiate Dictionary Merriam-Webster, décima Primeira edição. Merriam-Webster Inc. 2003
  2. ↑ andrológico Exame da Stallion
  3. ↑ 3,0 3,1 Bruce Bagemihl: exuberância Biológica: Homossexualidade animal e Diversidade Natural. Imprensa do St. Martin, 1999. ISBN 0-312-19239-8
  4. ↑ referencias Pará Adicionais, ver also o diretor Sexualidade Artigo animais # auto-erotismo (masturbação).
  5. ↑ Dally, Peter (1975). O Fator de Fantasia. 135, George Weidenfeld and Nicolson Limited.
  6. ↑ OED, S.V. masturbação
  7. ↑ Vá perguntar a Alice. Galo-enchimento. (HTML) da Universidade de Columbia, Nova York.URL acessado em 2006-07-29.
  8. ↑ McPartlin, Daniel, Adam P. Klausner, MD; Tristan T. Berry, Relatório MDCase :. Um Corpo Estranho na uretra (html) Journal of the American Academy of Assistants.URL Médico acessado em 2006-07-29.
  9. ↑ Masturbação, Tantra e amor-PRÓPRIO
  10. ↑ Keesling, BarbaraBeyond Orgasmatron. (HTML) Psicologia Today.URL acessado em 2006-07-29.
  11. ↑ Ellis, Havelock (1927), Estudos em Psicologia do Sexo (3ª edição), Volume I,; Auto-erotismo: um Estudo das Manifestações espontáneas fazer impulso sexual; Secção I; "A costura à máquina bicicleta ea:" cita hum dito Pouillet Como tendão "e Um facto Bem conhecido Que a trabalhar Há Uma máquina de costura com o Corpo NUMA determinada posição Produz excitação sexual Que conduz Ao orgasmo. A Ocorrência fazer orgasmo E Indicado para o observador Pela máquina Que ESTÁ Sendo trabalhado POR Alguns Segundos com rapidez incontrolável. Este som e Dito Ser frequentemente Ouvido em Grandes salas de Trabalho Frances, ê ê parte do Dever dos superintendentes dos Quartos parágrafo Fazer como meninas se Sentar corretamente." Estudos em Psicologia do Sexo, v. I, POR Havelock Ellis . livremente available in Projeto Gutenberg
  12. ↑ Koedt, Anne (1970) .O mito do orgasmo vaginal. (HTML) Libertação Union.URL das Mulheres Chicago acessado em 2006-07-29.
  13. ↑ 13,0 13,1 O Kinsey Institute Dados de Estudos de Alfred Kinsey. Publicado online.
  14. ↑ Shuman, Guia TracyYour à masturbação. (HTML) WebMD, Inc./The Cleveland Clinic Departamento de Obstetrícia e Gynecology.URL acessado em 2006-07-29.
  15. ↑ Knowles, JonMasturbation -. De estigma parágrafo a Saúde Sexual (html) Katharine Dexter McCormick Library / Planned Parenthood Federation of America, Inc..URL acessado em 2006-07-29.
  16. ↑ E. Heiby e J. Becker examinou este Ultimo. [1]
  17. ↑ "Bexiga Cálculo Apresentando uma masturbação Como excessiva." Ceylon Med. J. 2006 Setembro 51 (3): 121-2.
  18. ↑ "masturbação excessiva Apos uma Cirurgia de Epilepsia." Epilepsia Behav. 2004 05 de fevereiro (1): 133-6.
  19. ↑ "impulsividade sepultura Como uma Manifestação Primária da Esclerose Múltipla em Uma Fêmea Jovem." Psychiatry Clin. Neurosci. 2005 Dez. 59 (6): 739-42.
  20. ↑ 20,0 20,1 Gerressu, M. Mercer, C. H. Graham, CA. Wellings, K. e Johnson, A.M. (2007). Prevalência de Fatores de masturbação e Associadas em Uma Pesquisa Nacional Británica Probabilidade. Archives of Sexual Behavior. Publicado online.
  21. ↑ Agora é Amor e Sexo Guia 2004
  22. ↑ "Observação ultra-sonográfico do Comportamento Fêmea Uma sexual “feto no útero." American Journal of Obstetrics & Ginecologia 1996 setembro; 175 (3): 753.
  23. ↑ Heilborn, M. L. e Cabral, C. S. (2006). Práticas Sexuais na Juventude: Análise do Tempo de vida Trajetória e jornal Última sexual Relação sexual. Cad Saude Publica, 22, 7, pp. 1471-1481. Epub 2006 Jun 14.
  24. ↑ Menon, A. McAllister, R. H. Watson, W. e Watson, S. (2006). Aumento da libido Associada com a quetiapina. Journal of Psychopharmacology, 20, 1, pp. 125-7.
  25. ↑ O Comportamento sexual de Mulheres lésbicas e heterossexuais: as Relações com a fase do ciclo menstrual Parceiro e Disponibilidade. Psychoneuroendocrinology. 2002 maio; 27 (4): 489-503.
  26. ↑ O Sambia
  27. ↑ as cited Pela Hewlett, B. S. (1996) Contextos Diversos de infância humana, em Ember, C. & Ember, M. (Eds.) Cross-Cultural de Investigação em Ciências Sociais. Englewood Cliffs, NJ: Prentice Hall
  28. ↑ A Evolução clínica de masturbação infantil. Turk J Pediatr. 2000 Oct-Dec; 42 (4): 304-7.
  29. ↑ Masturbate-a-thon cabelo Centro de Sexo & Cultura
  30. ↑ Artigo viewlondon.co.uk em Masturbação Maratona de Londres
  31. ↑ Baker, Robin (Junho de 1996). Sperm Wars: The Science of Sex. Diane Books Publishing Company.
  32. ↑ 32,0 32,1 Baker, Robin R. Bellis, Mark A. (Novembro de 1993) a Concorrência .Human esperma: ejacular Manipulação POR Mulheres e Uma Função PARA O orgasmo feminino .. Animal Behaviour 46 (5): p887, 23p.
  33. ↑ Baker, Robin R. Bellis, Mark A. (Novembro de 1993) a Concorrência .Human esperma: ajuste POR Ejaculate Homens ea Função da masturbação .. Animal Behaviour 46 (5): p861, 25p.
  34. ↑ Shackelford, Todd K. Goetz, Aaron T. (Fevereiro de 2007) .Adaptation de esperma Competição em Humanos .. Current Directions in Psychological Science 16 (1): p47-50.
  35. Chave masturbação Às Relações Sexuais Saudáveis, Funcionais . 19 de abril http://badgerherald.com/oped/2007/04/19/masturbation_key_to_.php, Recuperado em julho de 2007
  36. Chave masturbação Às Relações Sexuais Saudáveis, Funcionais . 19 de abril http://badgerherald.com/oped/2007/04/19/masturbation_key_to_.php, Recuperado em julho de 2007, não entanto, OS supostos Benefícios da masturbação DEVE Ser qualificado com o Reconhecimento de that a Prática e Tao do susceptível de agravar a sensação de solidão.
  37. Chave masturbação Às Relações Sexuais Saudáveis, Funcionais . 19 de abril http://badgerherald.com/oped/2007/04/19/masturbation_key_to_.php, RECUPERADO em setembro 2007
  38. ↑ Fatores Sexuais e Câncer de próstata
  39. Sexo e morte: enguias estao Relacionados? ACHADOS OS não Estudo de coorte Caerphilly . 20 de dezembro http://bmj.bmjjournals.com/cgi/content/full/315/7123/1641, RECUPERADO em julho de 2007
  40. ↑. Benjamin Graber, Scott Balogh, Denis Fitzpatrick e Shelton Hendricks (Junho de 1991) Mudanças .Cardiovascular Associados à excitação e orgasmo sexuais em Homens. Abuso Sexual: A Journal of Research and Treatment 4 (2): 151-165. 1079-0632 (Print) 1573-286X (online).
  41. ↑ Brody, Stuart. "reatividade da pressao arterial Ao estresse E Melhor Pará como PESSOAS Que recentemente tiveram Relação pênis-vaginal sexuais Do Que Pará como PESSOAS Que tinham Outra OU nenhuma Atividade sexual." Psicologia biológica. Volume 71, Issue 2, fevereiro de 2006, páginas 214-222.
  42. ↑ eMedicine Artigo na fratura peniana e Trauma
  43. ↑ Academia Americana de Médicos de Família Artigo Sobre a Doença de Peyronie: Gestão Atual
  44. ↑ Artigo netdoctor.co.uk Sobre a contração prepúcio (fimose)
  45. ↑ Universidade da Pensilvania Gabinete DO ARTIGO Educação Saúde Sobre a masturbação
  46. ↑ Childrens Medical Office of North Andover, P.C. Artigo Sobre a masturbação na Primeira Infância
  47. ↑ Relações BBC: Dedicado Ao sexo
  48. ↑ "A Mulher e Hagar Qim. masturbando, com Uma Mão languidamente apoiando a Cabeça. " Taylor, Timothy. Descobrindo um pré-História do sexo. Britânico Arqueologia, nº 15, junho de 1996: [2].
  49. ↑ Dening, Sarah. A mitologia de Sexo. Macmillian 1996, ISBN 0028612072 978
  50. ↑ Dening, Sarah, A mitologia de Sexo Capítulo 3
  51. ↑ Johnathan Margolis, "O: A História Íntima do orgasmo", 2003. p134
  52. ↑ Dio Crisóstomo, Discursos, IV.20
  53. ↑ Catecismo da Igreja Católica .url acessado em 2007-10-08.
  54. ↑ Wayne Dynes (ed. 1990). Encyclopedia of Homosexuality (New York: Garland) p. 779.
  55. ↑ O Ritual da Circuncisão
  56. ↑ Stengers, Jean; van Neck, Anne. Masturbação: A História de Um terror grande. New York: Palgrave, 2001. ISBN 0-312-22443-5.
  57. ↑ Appliance Surgical
  58. ↑ Rachel P. Maines (1999). A Tecnologia do orgasmo: "histeria", O vibrador, e Satisfação das sexuais Mulheres. Baltimore: The Johns Hopkins University Press. ISBN 0-8018-6646-4.
  59. ↑ JackinLibrary: Joycelyn Elders

Além Disso Editar Leitura

Livros Editar

  • Apfelbaum, B. (2000). retardada ejaculação: Um mal compreendido síndrome Muito. New York, NY: Guilford Press.
  • Bertolini, M. (2001). masturbatória fantasia centrais, fetiche e Fenômeno de Transição. Philadelphia, PA: Whurr Publishers.
  • Darby, R. (2001). "Uma fonte de sepultura mal": A demonização do prepúcio e do aumento da preventiva circuncisão na Austrália. New York, NY: Kluwer Academic / Plenum Publishers.

Papers Editar

  • Brody, Stuart. "Magreza E Associado com Maior Relação sexual e menor Frequência de masturbação" Journal of Sex & Terapia conjugal Volume 30, Issue 4, julho-setembro de 2004 Páginas 251-261
  • DeMartino, Manfred F. Práticas Autoerotic Humanos. Nova Iorque: Ciências Humanas Press, 1979. ISBN 0-87705-373-1.
  • Ablon, S. L. (1994). "Podemos Como saber o dançarino da dança?" A Análise de Uma menina de cinco ano de Idade: o Estudo psicanalítico da Criança Vol 49 1994, 315-327.
  • Abramson, R. P. (1973). A Relação Entre a Frequência de masturbação um Vários Aspectos da Personalidade e do Comportamento: Journal of Sex Research Vol 9 (2) Maio de 1973, 132-142.
  • Abramson, R. P. & et ai. (1981). atitudes negativas em Relação masturbação e vasocongestion pélvica: Uma Análise termográfica: Journal of Research in Personality Vol 15 (4) dezembro 1981, 497-509.
  • Abramson, R. P. & Mosher, D. L. (1975). Desenvolvimento de Uma Medida de atitudes negativas em relacão a masturbação: Journal of Consulting e psicologia clínica Vol 43 (4) agosto 1975, 485-490.
  • Abramson, R. P. & Mosher, D. L. (1979). Uma Investigação EMPIRICA de fantasias masturbatórias induzida experimentalmente: Archives of Sexual Behavior Vol 8 (1) Jan 1979, 27-39.
  • Ajzenstadt, M. & Cavaglion, G. (2002). O Corpo sexual do Jovem judeu ideológica Luta Como Uma Arena de, 1821-1948: Symbolic Interaction Vol 25 (1) 2002, 93-116.
  • Alario Bataller, S. (1989). Tratamento de Hábitos nocivos em hum Caso Clínico: Analisis y modificacion de Conducta Vol 15 (43) 1989, 153-159.
  • Aldridge, R. G. (1983). Masturbação Durante O Casamento: Corretiva & psiquiatria social, & Journal of Technology Comportamento, Métodos & Terapia Vol 29 (4) 1983, 112-115.
  • Alford, G. S. Morin, C. Atkins, M. & Schoen, L. (1987). extinção masturbatória de excitação sexual desviante: Um Estudo de Caso: Behavior Therapy Vol 18 (3) Soma 1987, 265-271.
  • Amberson, J. I. & Hoon, P. W. (1985). Hemodinâmica do orgasmo sequencial: Archives of Sexual Behavior Vol 14 (4) agosto 1985, 351-360.
  • Andersen, L. B. (1981). Uma Comparação de dessensibilização Sistemática e masturbação Dirigida sem Tratamento da Disfunção Orgasmica NAS Fêmeas Primária: Journal of Consulting e psicologia clínica Vol 49 (4) agosto 1981, 568-570.
  • Arafat, I. S. & Algodão, W. L. (1974). Práticas de masturbação de machos e Fêmeas: Journal of Sex Research Vol 10 (4) novembro 1974, 293-307.
  • Aras, S. Orcin, E. Ozan, S. & Semin, S. (2007). comportamentos Sexuais e Contracepção Entre OS Estudantes Universitários na Turquia: Journal of Biosocial Ciência Vol 39 (1) Jan 2007, 121-135.
  • Armstrong, K. J. & Drabman, R. S. (1998). Tratamento do Comportamento masturbatório pública Uma velha da menina nove ano: Criança & Comportamento Terapia Familiar Vol 20 (1) 1998, 55-62.
  • Arnett, J. J. (2006). A adolescência de G. Stanley Hall: Brilliance e absurdo: História da Psicologia Vol 9 (3) ago 2006, 186-197.
  • Aruffo, R. N. Ibarra, S. & Strupp, K. R. (2000). Encopresis e masturbação anal: Jornal da Associação Americana de Psicanálise Vol 48 (4) 2000, 1327-1354.
  • Asch, S. S. (1985). Suicídio: Fantasias de Relações Internas de objeto: Jornal Internacional de Psicoterapia Psicanalítica Vol 11 1985-1986, 269-274.
  • Atwood, J. D. & Gagnon, J. (1987). Comportamento masturbatório na Juventude da faculdade: Journal of Sex Education & Terapia Vol 13 (2) Fal-Win 1987, 35-42.
  • Baker, R. R. & Bellis, A. M. (1993). Competição esperma humana: ajuste POR Ejaculate Homens ea Função da masturbação: Animal Behaviour Vol 46 (5) novembro 1993, 861-885.
  • Bakwin, H. (1974). Sentimentos eróticos em lactentes e Crianças Jovens: Medical Aspects of Human Sexuality Vol 8 (10) outubro 1974, 200-215.
  • Bancroft, J. (1999). alterações Cardiovasculares e endócrinos Durante a excitação sexual e orgasmo: Psychosomatic Medicine Vol 61 (3) Maio-junho 1999, 290-291.
  • Bancroft, J. (2005). A History of Sexual Medicine, nenhum Reino Unido: Journal of Sexual Medicine Vol 2 (4) Jul 2005, 569-574.
  • Barmann, B. C. & Murray, W. J. (1981). Supressão de Comportamento impróprio sexual triagem POR facial: Terapia Comportamental Vol 12 (5) novembro 1981, 730-735.
  • Basili, R.M. & Hamra, E. D. (1998). masturbação anal em Pacientes sepulturas: Revista de Psicoanálisis Vol 55 (3) jul-set 1998, 509-528.
  • Bentler, P. M. & Peeler, W. H. (1979). De Todos os modelos de orgasmo feminino: Archives of Sexual Behavior Vol 8 (5) setembro 1979, 405-423.
  • Bergstrom-Walan, M.-B. & Nielsen, H. H. (1990). Um dos Sexualidade 60-80 ano de Idade Adultos: Nordisk Sexologi Vol 8 (2) 1990, 137-144.
  • Bertholf, S. D. (1999). Compreender como Mudanças NAS atitudes dos Alunos: Um Estudo de Um curso de Graduação em Sexualidade Humana. (Estudantes Universitários, de género). Dissertação Abstracts International: Seção B: Como Ciências e Engenharia.
  • Betchen, S. J. (1991). masturbação masculina Como hum Veículo PARA O perseguidor / Relacionamento distanciômetro em Casamento: Journal of Sex & Estado civil, Terapia Vol 17 (4) Win 1991, 269-278.
  • Bielert, C. & Van der Walt, L. A. (1982). Masculino Babuino (Papio ursinus) excitação sexual: Mediação POR Sinais visuais de Membros da MESMA especie fazer sexo feminino: Psiconeuroendocrinologia Vol 7 (1) março 1982, 31-48.
  • Bilgic, A. Gurkan, K. & Turkoglu, S. (2007). masturbação excessiva e Comportamento hipersexual Associado com metilfenidato: Journal of the American Academy of Criança & Adolescent Psychiatry Vol 46 (7) julho de 2007, 789-790.
  • Billingham, R. E. & Hockenberry, S. L. (1987). sexo conformidade, fantasia masturbação, paixão, e Orientação sexual: Uma Investigação de Análise discriminante: Journal of Sex Research Vol 23 (3) agosto 1987, 368-374.
  • Binswanger, R. (1996). masturbação infantil – hum Ponto de vista genético, com especial Referência à anorexia e bulimia nervosa: Psyche: Zeitschrift fur Psychoanalyse und ihre Anwendungen Vol 50 (7) julho 1996, 644-670.
  • Bizouard, E. (1990). Auto-erotismo: metáforas Vegetais: Revue Française de Psicanálise Vol 54 (6) novembro-dezembro 1990, 1607-1614.
  • Preto, J. S. (2006). Revisão de Orgasmic Mulheres: 13 Selfloving Divas: Sexual e Terapia Relacionamento Vol 21 (4) Nov 2006, 481-482.
  • Bockting, W. O. (2002). Introdução: Journal of Psychology & Sexualidade Humana Vol 14 (2-3) 2002, 1-4.
  • Bogaert, A. F. (1992). viés Voluntário na Pesquisa sexual: um Estudo exploratório de Experiências de auto-Eróticas auto-relatados: Canadian Journal of Human Sexuality Vol 1 (4) Win 1992, 207-211.
  • Bohn, B. A. (1987). culpa masturbatória e Os Efeitos cognitivos de realimentação de Frequência Cardíaca falsa: Dissertação Abstracts International.
  • Boies, S. C. (2002). Estudantes Universitários Como da utilização de e Reações de Informação e sexual Entretenimento on-line: Ligações Pará on-line e Comportamento sexual off-line: Canadian Journal of Human Sexuality Vol 11 (2) Soma 2002, 77-89.
  • Borissova, A. M. Kovatcheva, R. Shinkov, A. & Vukov, M. (2001). Um Estudo do estado Psicológico e Sexualidade em Mulheres búlgaras de meia-Idade: importancia da terapia de REPOSIÇÃO hormonal (TRH): Maturitas Vol 39 (2) agosto 2001, 177-183.
  • Botella, C. & GARRAFA, S. (1982). Na Deficiência de auto-erótica fazer paranoico: Revue Française de Psicanálise Vol 46 (1) Jan-Fev 1982, 63-79.
  • Bradlow, P.A. & Coen, S. J. (1984). Espelho masturbação: Psicanalítica Quarterly Vol 53 (2) abril 1984, 267-285.
  • Brandt, G. (1980). Simbolismo e síntomas: À partir da Análise de Uma Deficiência relacionada Ao Trabalho: der Praxis und Kinderpsychologie Kinderpsychiatrie Vol 29 (3) abril 1980, 79-83.
  • Breiner, S. J. (1982). Masturbação e Concepção: Psychiatric Forum Vol 11 (1) Soma-Fal 1982, 21-29.
  • Brenot, P. Buck, P. & Petit, C. (2005). Em Louvor da masturbação. Londres, Inglaterra: Marion Boyars Publisher.
  • Pontes, S. K. Lease, S. H. & Ellison, C. R. (2004). Prevendo Satisfação sexual Mulheres em: Implicações Para o Conselheiro de Educação e Formação: Journal of Counseling & Desenvolvimento Vol 82 (2) Spr 2004, 158-166.
  • Pontes, S. P. K. (2000). Prever e descrever uma Satisfação sexual EM Mulheres: afeição física na Família de Origem, a iniciação sexual e comunicação e Práticas masturbatórias. Dissertação Abstracts International: Seção B: Como Ciências e Engenharia.
  • Brindley, G. S. & Gillian, P. (1982). Homens e Mulheres Que Não Tem orgasmos: British Journal of Psychiatry Vol 140 abril 1982, 351-356.
  • Brissette, S. Montplaisir, Godbout J., R. & Lavoisier, P. (1985). A Atividade sexual e sono nsa Seres Humanos: Biological Psychiatry Vol 20 (7) julho 1985, 758-763.
  • Brockopp, G. W. & Lester, D. (2002). O chamador obsceno. Springfield, IL: Charles C Thomas Publisher.
  • Brody, S. (2004). Magreza E Associado com Maior Relação sexual e menor Freqüência Masturbação: Journal of Sex & Estado civil, Terapia Vol 30 (4) jul-set 2004, 251-261.
  • Brody, S. (2006). Peniano-vaginal intercurso E Melhor: Evidence supera ideologia: Sexual e Terapia Relacionamento Vol 21 (4) Nov 2006, 393-403.
  • Brody, S. (2007). orgasmo vaginal ESTÁ Associado A Melhor Função psicológica: Sexual e Terapia Relacionamento Vol 22 (2) maio de 2007, 173-191.
  • Brody, S. Fischer, A. H. & Hess, U. (2008). Sensibilidade do dedo das Mulheres correlaciona-se com o Comportamento Parceria sexual, mas como Frequências de masturbação NÃO Solitários: Journal of Sex & Estado civil, Terapia Vol 34 (4) Jul 2008, 343-352.
  • Brody, S. & Kruger, T. H. C. (2006). O aumento da prolactina pós-Orgasmica Seguinte Relação sexual E Maior fazer that Seguir a masturbação e Sugere Maior saciedade: Biological Psychology Vol 71 (3) Mar 2006, 312-315.
  • Brooks, J. O. III, & Waikar, M. V. (2000). masturbação inadequado e esquizofrenia: Journal of Clinical Psychiatry Vol 61 (6) junho 2000, 451.
  • Brown, C. M. Traverso, G. & Fedoroff, J. P. (1996). proibição de masturbação em agressores Sexuais: Um Estudo cruzado: Archives of Sexual Behavior Vol 25 (4) agosto 1996, 397-408.
  • Brunacci, R. Pezzoni, F. & Moretti, D. (1984). Em neuroses obsessivas de hum Ponto de vista psicanalítico: Algumas Pesquisas histórico-clínica: Rivista Sperimentale di Freniatria e Medicina Legale delle Alienazioni mentali Vol 108 (4) agosto 1984, 1321-1347.
  • Bullough, V. (2006). Muito Barulho por nada-a RESPOSTA um Christensen: Sexualidade & Cultura: Uma Interdisciplinar Quarterly Vol 10 (3) Soma 2006, 98-99.
  • Bullough, V. L. (2002). Masturbação: Uma Visão Histórica: Journal of Psychology & Sexualidade Humana Vol 14 (2-3) 2002, 17-33.
  • Bullough, V. L. (2005). Masturbação: 100 anos ágora e: Journal of Sex Research Vol 42 (2) maio de 2005, 175-176.
  • Buntman, A. D. (1979). Os Efeitos de hum Programa de Educação a masturbação em crenças e atitudes em Relação à masturbação: Dissertação Abstracts International.
  • Burg, R. B. (1988). polução noturna e Frequência de masturbação Relacionamentos: Uma Conta do Século 19: Journal of Sex Research Vol 24 1988, 216-220.
  • Burland, J. A. (1990). A neurose infantil e neuroses na Infância. Lanham, MD: Jason Aronson.
  • Burstein, A. G. (1979). Revisão das Práticas de auto-Eróticas Humanos: PsycCRITIQUES Vol 24 (8), agosto de 1979.
  • Cambridge, P. Carnaby, S. & McCarthy, M. (2003). Respondendo a masturbação não Apoio a Sexualidade e Comportamento desafiador em Serviços Pará PESSOAS COM dificuldades de aprendizagem: Uma Visão Prática e pesquisa: Journal of Learning Disabilities Vol 7 (3) setembro de 2003 251-266.
  • Campo, A. F. (1985). Fantasia e excitação sexual em Homens Universitários: aspectos normativos e Funcionais: a Imaginação, cognição e Personalidade Vol 5 (1) 1985-1986, 3-20.
  • Campione, U. (1973). Um Caso de forte masturbação originado Por Um Complexo iatrogênica de culpa, resolvido em Tres reunioes hypnotherapeutic: Rivista Internazionale di Psicologia e Ipnosi Vol 14 (4) outubro-dezembro 1973, 417-422.
  • Canino, J. T. (2003). Revisão da alegria da auto-pleasuring: Por se Sentir culpada POR sentir-se bem:? Archives of Sexual Behavior Vol 32 (4) agosto 2003, 395-396.
  • Capps, D. (2003). Da masturbação à homossexualidade: Um Caso de desaprovação deslocadas morais: Pastoral Psychology Vol 51 (4) março 2003, 249-272.
  • Catania, A. J. & Branco, C. B. (1982). Sexualidade em Uma Amostra de Idosos: Determinantes cognitivos da masturbação: Archives of Sexual Behavior Vol 11 (3) junho 1982, 237-245.
  • Cavenar, J. O. Spaulding, J. G. & Butts, N. T. (1977). Autofellatio: Um Conflito de Poder e Dependência: Journal of Nervous and Disease Mental Vol 165 (5) novembro 1977, 356-360.
  • Chakrabarti, N. Chopra, V. K. & Sinha, V. K. (2002). culpa masturbatória Levando à Depressão e Disfunção erétil sepultura: Journal of Sex & Estado civil, Terapia Vol 28 (4) jul-set 2002, 285-288.
  • Christensen, C. (1995). masturbação prescrito em terapia sexual: Uma Crítica: Journal of Sex & Estado civil, Terapia Vol 21 (2) Soma 1995, 87-99.
  • Christensen, F. (2006). Sera que os Santos estiverem Marchando? (Comentario Sobre o Artigo de Malan e Bullough): Sexualidade & Cultura: Uma Interdisciplinar Quarterly Vol 10 (3) Soma 2006, 91-97.
  • Chromy, K. & Janik, A. (1977). Um Caso de Comportamento Incomum sexual em senium: Cesko-Slovenska Psiquiatria Vol 73 (3) 1977, 195-198.
  • Clark, C. (2005). Mãos Para Baixo! O melhor Livro maldito em masturbação: Journal of Sex Research Vol 42 (3) agosto de 2005, 270-271.
  • Clement, U. Schmidt, G. & Kruse, M. (1984). Mudanças NAS Diferenças Sexuais sem Comportamento sexual: Uma Replicação de hum Estudo Sobre os Estudantes da Alemanha Ocidental (1966-1981): Archives of Sexual Behavior Vol 13 (2) abril 1984, 99-120.
  • Clifford, R. (1978). Desenvolvimento da masturbação em Mulheres Universitários: Archives of Sexual Behavior Vol 7 (6) novembro 1978, 559-573.
  • Clifford, R. E. (1978). Experiência sexual subjetiva EM MULHERES Universitários: Archives of Sexual Behavior Vol 7 (3) maio de 1978, 183-197.
  • Clower, V. L. (1977). implicações teóricas em visões Atuais da masturbação em meninas latência. Oxford, Inglaterra: International Universities Press.
  • Cocchi, R. (1977). A hipótese da substituição adrenérgico-noradrenérgico na masturbação infantil habitual: Dois Casos: Rassegna di Studi Psichiatrici Vol 66 (1) Jan-Fev 1977 9-16.
  • Cocchi, R. & Rocca, R. G. (1977). "neurótico" masturbação e Depressão infantil: Abordagem clínico-Terapêutica e interpretação Possível neuro-Psicológico: Acta Neurologica Vol 32 (2) Mar-Abr 1977, 229-241.
  • Cohen, D. H. Rosen, R. C. & Goldstein, L. (1976). Mudanças de lateralidade Electroencephalograhic Durante o orgasmo sexual Humana: Archives of Sexual Behavior Vol 5 (3) maio de 1976, 189-199.
  • Coleman, E. (2002). A masturbação Como hum Meio de alcançar a Saúde sexual: Journal of Psychology & Sexualidade Humana Vol 14 (2-3) 2002, 5-16.
  • Condron, M. K. & Nutter, D. E. (1988). Uma Análise preliminar da Experiência de pornografia de criminosos Sexuais, parafílico, patients com Disfunção sexual e Controles com base de em RECOMENDAÇÕES da COMISSÃO Meese: Journal of Sex & Estado civil, Terapia Vol 14 (4) Win 1988, 285-298.
  • Cook, W. J. Altman, K. Shaw, J. & Blaylock, M. (1978). O Uso de suco de limão contingente Pará Eliminar a masturbação pública Por Um menino severamente retardado: Behaviour Research and Therapy Vol 16 (2) 1978, 131-134.
  • Coopersmith, S. E. (1981). Objeto-instintivo e Aspectos do Desenvolvimento da perversão: Psicanalítica Vol 68 (3) Fal 1981, 371-383.
  • Cornog, M. (2004). O Decloseting da masturbação: Journal of Sex Research Vol 41 (3) Ago 2004 310-312.
  • Costa, R. M. & Brody, S. (2007). Qualidade do Relacionamento das Mulheres ESTÁ Associada com o orgasmo intercurso especificamente peniano-vaginal e Frequência: Journal of Sex & Estado civil, Terapia Vol 33 (4) julho de 2007, 319-327.
  • Cotten-Huston, A. L. (1983). Comparações de criminosos Sexuais com Não-infratores Sobre atitudes em Relação à masturbação e fantasia feminino Como Relacionadas com a Participação em sessões de Sexualidade humana: Journal of Offender Aconselhamento, Serviços & Reabilitação Vol 8 (1-2) Fal-Win 1983, 13-26.
  • Couper, R. T. L. & Huynh, H. (2002). masturbação feminina Que Aparece Como dor abdominal: Jornal de Pediatria e Saúde da Criança Vol 38 (2) abril 2002, 199-200.
  • Crowther, M. R. & Zeiss, A. M. (1999). A terapia cognitivo-comportamental em Adultos Mais Velhos: Um Caso that ENVOLVE O FUNCIONAMENTO sexual: Journal of Clinical Psychology Vol 55 (8) agosto 1999, 961-975.
  • Crozier, I. (2004). Revisão de Solitary Sexo: Uma História Cultural da masturbação: History of Psychiatry Vol 15 (60, PT4) Dezembro 2004, 505-508.
  • Daldin, H. J. (1988). Uma contribuição parágrafo a Compreensão do Comportamento auto-mutilante na adolescência: Journal of Psychotherapy Criança Vol 14 (1) 1988, 61-66.
  • Dalley, T. Davies, M. & Urwin, C. (2006). Comentário Clínico: Journal of Psychotherapy Criança Vol 32 (3) Dez 2006, 365-379.
  • Querida, C. A. Davidson, J. K. & Jennings, D. A. (1991). A RESPOSTA revisitado feminina sexual: Compreender uma experiencia multiorgasmic Mulheres em: Archives of Sexual Behavior Vol 20 (6) dezembro 1991, 527-540.
  • Das, A. (2007). Masturbação Nos Estados Unidos: Journal of Sex & Estado civil, Terapia Vol 33 (4) julho de 2007, 301-317.
  • Davidson, J. K. (1984). Auto-erotismo, a Satisfação sexual, e Ajustamento Entre sexual como Mulheres Universitários: Padrões Passados ​​e Atuais: Deviant Behavior Vol 5 (1-4) 1984, 121-140.
  • Davidson, J. K. & Querida, C. A. (1988). Mudança de atitudes e Práticas de auto-Eróticas Entre as Mulheres da faculdade: Um Estudo de seguimento de Dois ano: Adolescência Vol 23 (92) Win 1988, 773-792.
  • Davidson, J. K. & Querida, C. A. (1989). Diferenças auto-percebida na RESPOSTA fazer orgasmo feminino: Prática de Pesquisa da Família Journal Vol 8 (2) SPR-Sum 1989, 75-84.
  • Davidson, J. K. & Querida, C. A. (1990). A Influência da Educação de Nível Universitário Sexualidade NAS atitudes masturbatórias fazer sexo feminino e comportamentos: Uma Análise longitudinal: Australian Journal of Marriage & Família Vol 11 (1) março 1990, 36-51.
  • Davidson, J. K. & Querida, C. A. (1993). culpa de masturbação e CAPACIDADE de RESPOSTA Entre sexual como Mulheres pós-faculdade-Idade: A revisitado sexual Satisfação: Journal of Sex & Estado civil, Terapia Vol 19 (4) Win 1993, 289-300.
  • Davidson, J. K. & Moore, N. B. (1994). Masturbação e Relações Sexuais Antes do Casamento Entre as Mulheres da faculdade: Fazendo Escolhas Para a Satisfação sexual: Journal of Sex & Estado civil, Terapia Vol 20 (3) Fal 1994, 178-199.
  • Davis, C. M. em branco, J. Lin, H.-Y. & Bonillas, C. (1996). Características de uso do vibrador Entre as Mulheres: Journal of Sex Research Vol 33 (4) 1996, 313-320.
  • Dawood, K. Kirk, K. M. Bailey, J. M. Andrews, P. W. & Martin, G. N. (2005). Influências genéticas e Ambientais Sobre a Frequência de orgasmo NAS Mulheres: Duplo Research Vol 8 (1) Fev de 2005, 27-33.
  • de Bruijn, G. (1982). Da masturbação Ao orgasmo com hum Parceiro: Como algumas Mulheres preencher uma lacuna – e Por Que Outros Nao: Journal of Sex & Estado civil, Terapia Vol 8 (2) Soma 1982, 151-167.
  • De Pereda, M. C. (2004). ressignificação do Adolescente: Kinderanalyse Vol 12 (4) Out 2004 342-356.
  • De Silva, P. (2006). Avaliação de Palavras sujas: A História de conversa Sobre sexo: Sexual e Relacionamento Terapia Vol 21 (1) Fev 2006 110.
  • Dekker, A. & Schmidt, G. (2002). Padrões de Comportamento masturbatório: Alterações Entre OS Anos Sessenta e OS ano noventa: Journal of Psychology & Sexualidade Humana Vol 14 (2-3) 2002, 35-48.
  • Dekker, J. Dronkers, J. & Staffeleu, J. (1985). Tratamento de disfunções Sexuais em grupos APENAS masculinos: Prevendo resultado: Journal of Sex & Estado civil, Terapia Vol 11 (2) Soma 1985, 80-90.
  • Dekker, J. & Everaerd, W. (1984). O Tratamento da Disfunção Orgasmica em Mulheres heterossexuais: Uma Abordagem indivíduo e relacional: Nederlands Tijdschrift voor de Psychologie en haar Grensgebieden Vol 39 (7) outubro 1984, 411-426.
  • DeMartino, M. F. (1980). Masturbação Como Uma Ajuda ao Desenvolvimento da Personalidade e Relacionamentos amorosos heterossexuais: PsycCRITIQUES Vol 25 (2), fevereiro de 1980.
  • Dodson, B. (2004). Nós Somos todos Queer Quite: Journal of Bisexuality Vol 4 (3-4) 2004, 155-163.
  • Dow, M. G. (1981). ejaculação retardada em Função de condicionamento nonaversive e da discriminação: Uma hipótese: Journal of Sex & Estado civil, Terapia Vol 7 (1) Spr 1981, 49-53.
  • Downey, L. (1980). Mudança intergeracional sem Comportamento sexual: Um Olhar tardia em Homens de Kinsey: Archives of Sexual Behavior Vol 9 (4) agosto 1980, 267-317.
  • Downing, J. Jenkins, S. J. & Fisher, G. L. (1988). Uma Comparação do Tratamento psicodinâmico e Reforço com Crianças abusadas sexualmente: Elementary School Orientação & Aconselhamento Vol 22 (4) abril 1988, 291-298.
  • Dranoff, S. M. (1974). Masturbação e do Adolescente masculino: Adolescência Vol 9 (34) Soma 1974, 169-176.
  • Dufrene, A. B. Watson, S. T. & Weaver, A. (2005). Response Bloqueio com o cumprimento guiada e Reforço parágrafo hum Comportamento de Substituição habilitative: Efeitos Sobre a masturbação pública e na Tarefa Comportamento: Criança & Comportamento Terapia Familiar Vol 27 (4) 2005, 73-84.
  • Durham, T.W. & Grossnickle, W. F. (1982). Atitudes em Relação à masturbação: Psychological Reports Vol 51 (3, Pt 1) dezembro 1982, 932-934.
  • Dutton, W. A. & Newlon, B. J. (1988). Lembranças precoces e fantasias Sexuais de criminosos Sexuais na adolescência: psicologia individual: Journal of Theory Adlerian, Research & Prática Vol 44 (1) março 1988, 85-94.
  • Dziegielewski, M. & Tyler, J. P. (1989). A Influência da atitude e Fatores psicogênicos Sobre a Qualidade do sémen masturbação colhido por: Journal of Reproductive e Vol infantil Psicologia 7 (3) jul-set 1989, 161-169.
  • Eber, M. & Rotondo, D. J. (1988). Comportamento masturbatório Como Androgynous hum Fenômeno esquizóide: Boletim da Menninger Clinic Vol 52 (5) setembro 1988, 404-409.

Edwards, D. W. (1983). Adolescentes e masturbação: Journal of Social Work & A Sexualidade humana Vol 1 (3) Spr 1983, 53-57.

  • Ellis, R. G. (1980). O gatilho corona-freio: Sexualidade e Deficiência Vol 3 (1) Spr 1980, 50-56.
  • Engelhardt, H. T. Jr. (1992). A Doença da masturbação: Valores EO Conceito de Doença. Thousand Oaks: Sage Publications, Inc.
  • Esman, A. H. (2005). Revisão da História e Psicanálise Solitary Sexo: Uma História Cultural da masturbação: Jornal da Associação Americana de Psicanálise Vol 53 (1) Win 2005, 325-328.
  • Exton, M. S. Bindert, A. Kruger, T. Scheller, F. Hartman, U. & Schedlowski, M. (1999). alterações Cardiovasculares e endócrino Apos o orgasmo induzido POR masturbação EM Mulheres: Psychosomatic Medicine Vol 61 (3) Maio-junho 1999, 280-289.
  • Fabi, M. (2004). Revisão de Cybersex: O Lado Negro da Força Internacional Journal of Applied Psicanalítica Estudos Vol 1 (2) 2004, 208-209.
  • Fabricius, J. (1999). Interna “Assassinato da alma”: um obstáculo ao Desenvolvimento psíquico: British Journal of Psychotherapy Vol 15 (4) Sum 1999, 476-487.
  • Farrell, W. (1978). A tapeçaria de alternatives: PsycCRITIQUES Vol 23 (4), abril de 1978.
  • Faught, E. FALGOUT, J. Nidiffer, D. & Dreifuss, F. E. (1986). convulsões fotossensíveis ausencia ictal com prazer auto-induzidos: Archives of Neurology Vol 43 (4) abril 1986, 408-410.
  • Ferguson, L. N. & Rekers, G. A. (1979). Intervenção NÃO aversivo na masturbação infantil pública: Um Estudo de Caso: Journal of Sex Research Vol 15 (3) agosto 1979, 213-223.
  • Ferrero, G. F. (1973). Enurese e masturbação com hum forte Complexo de Édipo em hum menino de nove ano de Idade, notavelmente Recuperado em cinco reunioes hypnotherapeutic: Rivista Internazionale di Psicologia e Ipnosi Vol 14 (4) outubro-dezembro 1973, 413-415.
  • Finkelstein, E. Amichai, B. Jaworowski, S. & Mukamel, M. (1996). Masturbação em Crianças pré-púberes: Um relato de caso e Revisão da literatura: Criança: Cuidado, Saúde e Desenvolvimento Vol 22 (5) setembro 1996, 323-326.
  • Fishbain, D. A. (1987). Cleptomania Como hum Comportamento em RESPOSTA à Depressão Assunção de Riscos: American Journal of Psychotherapy Vol 41 (4) outubro 1987, 598-603.
  • Foote, W. E. & Leis, D. R. (1981). Um Procedimento alternancia diaria parágrafo recondicionamento orgasmo com hum pedófilo: Journal of Behavior Therapy and Experimental Psychiatry Vol 12 (3) setembro 1981, 267-273.
  • Fortier, P. Mottard, J.-P. Trudel, G. & MESMO, S. (2003). Estudo das Características Relacionadas à Sexualidade em Jovens Adultos com esquizofrenia Tratados com neurolépticos Novel e hum grupo de Comparação de Jovens Adultos: Esquizofrenia Boletim Vol 29 (3) 2003, 559-572.
  • Foxx, R. M. McMorrow, M. J. Fenlon, S. & Bittle, R. G. (1986). Os Efeitos Redutores de Procedimentos de Reforço Sobre a Estimulação genital e estereotipia de hum macho adolescente deficiente mental: Análise & Intervenção em Developmental Disabilities Vol 6 (3) 1986, 239-248.
  • Francis, E. (2004). À partir de si a si: a masturbação Como o futuro da Sexo: Journal of Bisexuality Vol 4 (3-4) 2004, 167-176.
  • Francoeur, R. T. (2007). Cultura Católica e Saúde Sexual. Westport, CT: Praeger Publishers / Greenwood Publishing Group.
  • Frenkel, R. S. (1993). Problemas no Desenvolvimento do sexo feminino: Comentários Sobre a Análise de Uma menina de latência-Idade precoce: O Estudo psicanalítico da Criança Vol 48 1993, 171-192.
  • Freud, S. (1994). Masturbação Como o vício inicial. Lanham, MD: Jason Aronson.
  • Friedman, J. M. (1983). Sexo Histórico de Kinsey de Interesse Histórico: PsycCRITIQUES Vol 28 (7), Jul de 1983.
  • Gadpaille, W. J. (1972). Qual É O Comportamento aceitável sexual:? Sexual Behavior Vol 2 (7) julho 1972, 36-41.
  • Gadpaille, W. J. (1974). Masturbação em meninas pré-adolescentes: Medical Aspects of Human Sexuality Vol 8 (9) setembro 1974, 179-180.
  • Gagnon, J. H. (1985). Atitudes e Respostas dos pais a masturbação pré-adolescente: Archives of Sexual Behavior Vol 14 (5) outubro 1985, 451-466.
  • Gagnon, J. H. (2005). Revisão de Solitary Sexo: Uma História Cultural da masturbação: Archives of Sexual Behavior Vol 34 (4) agosto de 2005, 471-473.
  • Galenson, E. & Roiphe, H. (1974). O surgimento da Consciência genital Durante o Segundo ano de vida. Oxford, Inglaterra: John Wiley & Filhos.
  • Gana, K. Trouillet, R. Martin, B. & Toffart, L. (2001). A Relação Entre a propensão tédio e comportamentos Sexuais solitarias em Adultos: Comportamento social e Personalidade Vol 29 (4) 2001, 385-389.
  • Geer, J. H. & Quartaaro, J. D. (1976). Vaginais Respostas de volume de sangue Durante de uma masturbação: Archives of Sexual Behavior Vol 5 (5) setembro 1976, 403-413.
  • Gellman, R. & Gellman-Barroux, C. (2003). Como Perguntas do Adolescente PARA O sexologo e psiquiatra pratician: Annales Médico-Psychologiques Vol 161 (5) 2003, 393-399.
  • Gerressu, M. Mercer, C. H. Graham, C. A. Wellings, K. & Johnson, M. A. (2008). Prevalência de masturbação e Fatores Associados em Uma Pesquisa de Probabilidade Nacional Britânico: Archives of Sexual Behavior Vol 37 (2) Abr 2008, 266-278.
  • Ghanem, H. & El-Sakka, A. (2007). Sexo e disfunções Sexuais na Cultura do Médio Oriente. Westport, CT: Praeger Publishers / Greenwood Publishing Group.
  • Gibney, H. A. (1972). Masturbação: Um Convite para hum Relacionamento interpessoal: Perspectives in Psychiatric Cuidados Vol 10 (3) 1972, 128-134.
  • Gilbert, A. N. (1975). Doutor, Paciente, e Onanist Doenças não XIX Século: Revista de História da Medicina & Allied Sciences Vol 30 (3) julho 1975, 217-234.
  • Glenn, J. (1974). A Análise dos Conflitos masturbatórias de Sobre nota hum adolescente com Uma "Atual neurose." Oxford, Inglaterra: Quadrangle.
  • Goldberg, A. (2000). errantes EUS: Um Livro de registro de mau Comportamento. Mahwah, NJ: Imprensa Analytic.
  • Goldsmith, L. (1988). O Tratamento da Disfunção sexual. Belmont, CA: Thomson Brooks / Cole Publishing Co.
  • Bom, M. I. (1994). A Reconstrução do trauma na Primeira Infância: Fantasia, Realidade, e verificação: Jornal da Associação Americana de Psicanálise Vol 42 (1) 1994, 79-101.
  • Graber, B. & et ai. (1985). EEG Durante a masturbação e ejaculação: Archives of Sexual Behavior Vol 14 (6) dezembro 1985, 491-503.
  • Verde, S. E. & Mosher, D. L. (1985). Um modelo causal de excitação sexual de fantasias Eróticas: Journal of Sex Research Vol 21 (1) fevereiro 1985, 1-23.
  • Greenberg, J. S. (1972). O Comportamento masturbatório de Estudantes Universitários: Psicologia nas Escolas Vol 9 (4) outubro 1972, 427-432.
  • Greenberg, J. S. & Archambault, F. X. (1973). Masturbação, auto-estima e Outras Variáveis: Journal of Sex Research Vol 9 (1) fevereiro 1973, 41-51.
  • Griffitt, W. (1975). Experiência sexual e CAPACIDADE de RESPOSTA sexual: Diferenças entre sexos OS: Archives of Sexual Behavior Vol 4 (5) setembro 1975, 529-540.
  • Groenendijk, L. F. (1997). Masturbação e neurastenia: Freud e Stekel há Efeitos debate Sobre os nocivos faz o auto-erotismo: Journal of Psychology & Sexualidade Humana Vol 9 (1) 1997, 71-94.
  • Grumet, G. W. (1985). masturbação patológica com consequencias drásticas: relato de caso: Journal of Clinical Psychiatry dezembro Vol 46 (12) 1985, 537-539.
  • Gudelunas, D. (2005). Falando tabu: Colunas de Conselhos Jornal e discurso sexual: Sexualidade & Cultura: Uma Interdisciplinar Quarterly Vol 9 (1) Win 2005, 62-87.
  • Gutmann, P. (2006). ‘Sobre Confusões da mente devido Às condições Anormais dos Órgãos Sexuais. História da Psiquiatria Vol 17 (1) Mar 2006, 107-111.
  • Hagenbach, A. W. (2002). Nota Histórica: Sexo e sanidade de 1879: Journal of Nervous and Disease Vol Mental 190 (11) nov 2002, 782.
  • Hagglund, T.-B. (1980). Alguns pontos de vista Sobre o ideal do ego: Análise Internacional de Psicanálise Vol 7 (2) 1980, 207-218.
  • Haidt, J. & Hersh, M. A. (2001). moralidade sexual: Como Culturas e como Emoções dos conservadores e liberais: Journal of Applied Social Psychology Vol 31 (1) Jan 2001, 191-221.
  • Halpern, C. J. T. Udry, J. R. Suchindran, C. & Campbell, B. (2000). a disposição dos adolescentes do sexo masculino Para relatar a masturbação: Journal of Sex Research Vol 37 (4) novembro 2000, 327-332.
  • Halpert, E. (1973). Em Uma forma especial de masturbação em Mulheres: Masturbação com Água: Jornal da Associação Americana de Psicanálise Vol 21 (3) 1973, 526-542.
  • Hansen, J. T. (1991). Auto-erotismo Ao narcisismo secundário: clarificar a Linha de Desenvolvimento: Psicanalítica Vol 78 (2) Soma 1991, 225-236.
  • Harbet, S. C. (1979). Atitudes e comportamentos de Mulheres da faculdade relativos a masturbação feminina: Dissertação Abstracts International.
  • Haroian, L. M. (1992). Os Problemas Sexuais de Crianças. Oxford, Inglaterra: John Wiley & Filhos.
  • Harvey, S. M. (1987). Comportamento sexual feminina: Como flutuações Durante o ciclo menstrual: Journal of Psychosomatic Research Vol 31 (1) 1987, 101-110.
  • Hatfield, E. Sprecher, S. & Traupmann, J. (1978). Homens e Reações das Mulheres sexualmente explícitas filmes: Uma Descoberta fortuita: Archives of Sexual Behavior Vol 7 (6) novembro 1978, 583-592.
  • Hazelwood, R. R. Dietz, P. E. & Burgess, A. W. (1981). A Investigação de mortes auto-Eróticas: Journal of Science Polícia & Administração Vol 9 (4) dezembro 1981, 404-411.
  • Heiby, E. M. & Becker, J. D. (1980). Efeito da Modelagem filmado na Frequência de auto-relato da masturbação: Archives of Sexual Behavior Vol 9 (2) abril 1980, 115-121.
  • Heine, R. (1968). Revisão de auto-Estimulação sexuais: PsycCRITIQUES Vol 13 (8), agosto de 1968.
  • Hekma, G. (2006). Sade, masculinidade e humilhação sexual: Homens e Masculinidades Vol 9 (2) Out 2006 236-251.
  • Hensley, C. Tewksbury, R. & Koscheski, M. (2001). Masturbação ar-livre: auto-erotismo em Uma Prisão feminina: The Prison Journal Vol 81 (4) dezembro 2001, 491-501.
  • Hensley, C. Tewksbury, R. & Wright, J. (2001). Explorando a Dinâmica da masturbação ea Atividade fazer MESMO sexo Dentro consensual de Uma Prisão de Segurança Máxima masculino: O Jornal de Estudos dos Homens Vol 10 (1) Fal 2001, 59-71.
  • Henson, D. E. Rubin, H. B. & Henson, C. (1982). Labiais e do volume de sangue vaginal Respostas a Estímulos visuais e tácteis: Archives of Sexual Behavior Vol 11 (1) fevereiro 1982, 23-31.
  • Hessellund, H. (1976). Masturbação e Sexuais fantasias em Casais: Archives of Sexual Behavior Vol 5 (2) março 1976, 133-147.
  • Hingsburger, D. (1994). Masturbação: Uma consulta Para aqueles Que apoiam individuos com deficiências de Desenvolvimento: Canadian Journal of Human Sexuality Vol 3 (3) Fal 1994, 278-282.
  • Hodges, F. M. (2005). O Antimasturbation Cruzada em Antebellum Americana de Medicina: Journal of Sexual Medicine Vol 2 (5) Ajuste de 2005, 722-731.
  • Hofstede, G. (1998). Comparados Estudos do Comportamento sexual: Sexo Como um Relacionamento OU Como Realização? Thousand Oaks: Sage Publications, Inc.
  • Holstein, K. & Schutze, G. (1983). A patogênese do Desvio sexual na adolescência: Zeitschrift fur Kinder- und Jugendpsychiatrie und Psychotherapie Vol 11 (4) 1983, 310-316.
  • Hooker, E. (1971). Experiência de pico OU RESPOSTA:? PsycCRITIQUES Naturais Vol 16 (8), agosto de 1971.
  • Hopper, E. (1995). A teoria psicanalítica de "Dependência de drogas": Fantasias inconscientes da homossexualidade, compulsões e masturbação não contexto de Processos Traumatogenic: International Journal of Psycho-Analysis Vol 76 (6) dezembro 1995, 1121-1142.
  • Horne, R. (2001). De Corpos e Bebês: Sexualidade e Teorias Sexuais na infância e adolescência. New York, NY: Brunner-Routledge.
  • Houck, E. L. & Abramson, R. P. (1986). culpa de masturbação e como consequencias Psicológicas de Doenças sexualmente Transmissíveis EM Mulheres: Journal of Research in Personality Vol 20 (3) setembro 1986, 267-275.
  • Houpt, K. A. & Wollney, G. (1989). Frequência de Orçamentos de masturbação e hora de Touros leiteiros utilizados Para a Produção de sémen: Applied Animal Behaviour Ciência Vol 24 (3) outubro 1989, 217-225.
  • Hull, J. W. & Lane, R. C. (1988). Auto-erotismo em patients com Organização de personalidade limítrofe: Um Caso de wristcutting e bulimia: Journal of Contemporary Psicoterapia Vol 18 (3) Fal 1988, 205-216.
  • Hull, J. W. & Lane, R. C. (1996). sonhos repetitivos e uma fantasia de masturbação Central: Psicanalítica Vol 83 (5) outubro 1996, 673-684.
  • Hulter, B. & Lundberg, P. O. (1994). A Função em sexual Mulheres com Distúrbios hipotálamo-hipófise: Archives of Sexual Behavior Vol 23 (2) abril 1994, 171-183.
  • Hulverscheidt, M. A. (2005). "Uma História Estranha Sobre a Prevenção da masturbação": Sobre a História da mutilação genital das Mulheres Nos Países de Língua alemã: Zeitschrift fur Sexualforschung Vol 18 (3) Ajuste de 2005, 215-242.
  • Hunter, J. A. Ram, N. & Ryback, R. (2008). Uso de terapia de saciedade sem Tratamento de Interesse Adolescente-manifes sexuais Crianças EM fazer sexo masculino: Um Caso Único, Medidas repetiu Concepção: Caso Clínico Estudos Vol 7 (1) Fev 2008, 54-74.
  • Hurlbert, D. F. & Apt, C. (1995). A Técnica coito Alinhamento e masturbação Dirigida: Um estudo comparativo Sobre o orgasmo feminino: Journal of Sex & Estado civil, Terapia Vol 21 (1) Spr 1995, 21-29.
  • Hurlbert, D. F. & Whittaker, K. E. (1991). O papel da masturbação na Satisfação conjugal e sexual: Um estudo comparativo dos masturbadores fazer sexo feminino e nonmasturbators: Journal of Sex Education & Terapia Vol 17 (4) Win 1991, 272-282.
  • Hurley, A. D. & Sovner, R. (1983). Tratamento de Desvio sexuais EM PESSOAS COM retardo mental: Aspectos psiquiátricos de Retardo Mental Boletim Vol 2 (4) abril 1983, 13-16.
  • Iencarelli, A. B. (1988). Masturbação e maternidade: Em Relação Ao Tratamento de 18-mo-old Mariana: Revista Brasileira de Psicanálise Vol 22 (4) 1988, 583-593.
  • Impallari, J. & de Impallari, M. G. (1988). Antecedentes de e correlaciona-se entre, Técnicas de masturbação e Tipos de Fantasias eróticas Associados em ejaculadores precoces e controlados: Revista Latinoamericana de Sexologia Vol 3 (1) 1988, 13-24.
  • Izner, S. M. (1992). Alguns Aspectos defensivos da fantasia masturbação e a necessidade de trabalhar Há Sobre ISSO. Madison, CT: International Universities Press, Inc.
  • Janzen, W. B. & Peacock, R. (1978). Tratamento da masturbação pública Pela Gestão comportamental: American Journal of Psychotherapy Vol 32 (2) abril 1978, 300-306.
  • Joachim, M. J. (1980). Apoio social, a culpa masturbatório, e o Sucesso de Grupos de Tratamento de Educação para a Disfunção Orgasmica Primária: Dissertação Abstracts International.
  • Johnson, J. R. (1982). Em Direção a Uma Abordagem Bíblica Para a masturbação: Journal of Psychology & Teologia Vol 10 (2) Soma 1982, 137-146.
  • Johnston, P. Hudson, S.M. & Marshall, W. L. (1992). Os Efeitos de recondicionamento masturbatória com molesters Criança NÃO Familiares: Behaviour Research and Therapy Vol 30 (5) setembro 1992, 559-561.
  • Jones, J. C. & Barlow, D. H. (1990). Frequência de auto-relato de dos impulsos Sexuais, fantasias e masturbatórias Fantasias em Homens heterossexuais e Mulheres: Archives of Sexual Behavior Vol 19 (3) junho 1990, 269-279.
  • Jovic, N. (1972). No Complexo de castração: Neuropsihijatrija Vol 20 (3-4) 1972, 273-280.
  • Kaeser, F. (1996). Desenvolver Uma filosofia de Formação masturbação Pará como PESSOAS COM Deficiência mental, profunda severa ou: Sexualidade e Deficiência Vol 14 (4) Win 1996, 295-308.
  • Kaeser, F. & O’Neill, J. (1987). Tarefa analisou Instrução masturbação parágrafo hum macho adulto Profundamente retardado mental: Um Estudo de caso com base de de Dados: Sexualidade e Deficiência Vol 8 (1) Spr 1987, 17-24.
  • Kaeser, F. E. (1996). Masturbação e da Qualidade de Vida, Saúde e Expressão sexual de Pessoas com profundo retardo mental: Um Estudo Filosófico. Dissertação Abstracts International: Seção B: Como Ciências e Engenharia.
  • Kar, N. & Koola, M. M. (2007). UM ESTUDO Piloto Sobre o FUNCIONAMENTO sexuais e preferencias em Uma Amostra de Adultos de língua Inglês A Partir de Uma Pequena Cidade do sul da Índia: Journal of Sexual Medicine Vol 4 (5) Ajuste de 2007, 1254-1261.
  • Karthikeyan, R. & Swaminathan, V. D. (1992). Gestão comportamental de culpa masturbatória: Indian Journal of Clinical Psychology Vol 19 (2) setembro 1992, 41-43.
  • Kay, S. D. (1992). Masturbação e Saúde mental: Usos e abusos: Sexual & Estado civil, Terapia Vol 7 (1) 1992 97-107.
  • Kelley, K. (1985). Sexo, culpa o sexo, e autoritarismo: Diferenças NAS Respostas AOS escorregas heterossexuais e masturbatórias explícitas: Journal of Sex Research Vol 21 (1) fevereiro 1985, 68-85.
  • Kilborne, B. (2006). Revisão de Solitary Sexo: Uma História Cultural da masturbação: The American Journal of Psychoanalysis Vol 66 (1) Mar 2006, 97-100.
  • Kittler, E. (2005). NÓS Tres nenhum castelo de fantasmas: A dificuldade de Instalar Uma psicoterapia com Uma Criança, ou: Os Efeitos da fantasia masturbação centro da Mãe Sobre a Relação mãe-filho. Algumas CONSIDERAÇÕES Sobre Técnicas de Interpretação na obra com Uma Criança e SEUS pais: Kinderanalyse Vol 13 (2) Abr de 2005, 147-174.
  • Klar, H. (1974). Os testículos Luscher de preferencias de cor de Crianças soluçar uma Influência da masturbação neurótica: British Journal of Psychology Projective & Estudo Personalidade Vol 19 (2) dezembro 1974, 15-20.
  • Knafo, D. & Jaffe, Y. (1984). fantasias Sexuais em Homens e Mulheres: Journal of Research in Personality Vol 18 (4) dezembro 1984, 451-462.
  • Kohl, M. L. (1980). Situação, sexo e papel sexual Como enguias se relacionam com a Frequência de Varias fantasias Sexuais relatados POR Homens e Mulheres Universitários: Dissertação Abstracts Internacionais.
  • Kohlenberg, R. J. (1974). masturbação Dirigida e sem Tratamento da Disfunção Orgasmica Primária: Archives of Sexual Behavior Vol 3 (4) julho 1974, 349-356.
  • Kontula, O. & Haavio-Mannila, E. (2002). Masturbação NUMA Perspectiva geracional: Journal of Psychology & Sexualidade Humana Vol 14 (2-3) 2002, 49-83.
  • Kornreich, C. Dulk, A. D. Verbanck, P. & Pelc, I. (1995). o Tratamento com fluoxetina de masturbação compulsiva em hum Paciente esquizofrênico: Journal of Clinical Psychiatry Vol 56 (7) julho de 1995 334.
  • Koznar, J. (1990). Atitudes em Relação à masturbação: Psychologia hum Patopsychologia Dietata Vol 25 (5) 1990, 463-469.
  • Krac, A. (1979). Roteiros Sociais e Comportamento masturbatório feminina: um modelo causal: Dissertação Abstracts Internacionais.
  • Kremsdorf, R. B. Holmen, M. L. & Leis, D. R. (1980). recondicionamento Orgasmic sem imagery desviante: relato de caso com hum pedófilo: Behaviour Research and Therapy Vol 18 (3) 1980, 203-207.
  • Krop, H. & Burgess, D. (1993). Use de condicionamento secreta parágrafo TRATAR a masturbação excessiva. Belmont, CA: Thomson Brooks / Cole Publishing Co.
  • Kruger, T. H. C. Haake, P. Hartmann, U. Schedlowski, M. & Exton, M.S. (2002). induzida cabelo orgasmo prolactina secreção: Controle de realimentação da Unidade sexual:? Neuroscience & Biocomportamental Avaliações Vol 26 (1) Jan 2002, 31-44.
  • Kulish, N. (2003). género em Conflito: O Caso de uma mulher that acreditava Que Ela era Metade machos e Metade Fêmeas: O Estudo psicanalítico da Criança Vol 58 2003, 60-84.
  • Kuriansky, B. J. Sharpe, L. & O’Connor, D. (1982). O Tratamento da anorgasmia: eficacia a Longo Prazo de Uma terapia comportamental de grupo de Curto Prazo: Journal of Sex & Estado civil, Terapia Vol 8 (1) Spr 1982, 29-43.
  • Kuruvilla, K. (1984). Tratamento de simples Homens impotentes: Indian Journal of Psychiatry Vol 26 (2) abril 1984, 160-163.
  • Kwee, A. W. Dominguez, A. W. & Ferrell, D. (2007). vício sexual e Homens Universitários cristãos: Conceitual, de avaliação e de Tratamento Desafios: Jornal de Psicologia e Cristianismo Vol 26 (1) SPR de 2007, 3-13.
  • Laan, E. Everaerd, W. Van Aanhold, M.-T. & Rebel, M. (1993). a demanda POR Desempenho e excitação sexual EM Mulheres: Behaviour Research and Therapy Vol 31 (1) Jan 1993, 25-35.
  • Lachkepiani, A. N. (1990). Um fenómeno epiléptico POUCO conhecido: Zhurnal Nevropatologii i Psikhiatrii imeni S S Korsakova Vol 90 (6) 1990, 23-25.
  • LaFemina, R. (1977). O Uso de hum Estímulo auditivo Para despertar um masturbatória fantasia em hum macho impotente: Journal of Behavior Therapy and Experimental Psychiatry Vol 8 (4) dezembro 1977, 433-435.
  • Lafuente Benaches, M. J. & Valcarcel Gonzalez, M. P. (1984). Atitudes Sobre a Sexualidade em Uma Amostra de Estudantes Universitários de Valencia: Psicologica Vol 5 (1) 1984, 81-99.
  • Lande, S. D. (1980). Uma Combinação de recondicionamento Orgasmica e sensibilização Encoberta sem Tratamento de hum fetiche fogo: Journal of Behavior Therapy and Experimental Psychiatry Vol 11 (4) dezembro 1980, 291-296.
  • Lang, H. L. (1991). Os Efeitos de saciedade masturbatória Sobre a excitação sexual de um Crianças: Dissertação Abstracts International.
  • Lange, E. (1989). Roupas Cortar, enquanto o ciclismo: Um Paciente fetichista com Problemas de Comunicação exibe grande destreza: Psiquiatria, Neurologia und Medizinische Psychologie Vol 41 (9) setembro 1989, 550-552.
  • Langstrom, N. Grann, M. & Lichtenstein, P. (2002). Influências genéticas e Ambientais Sobre o Comportamento masturbatório problematica em Crianças: Um Estudo de Gêmeos fazer MESMO sexo: Archives of Sexual Behavior Vol 31 (4) agosto 2002, 343-350.
  • Langstrom, N. & Zucker, K. J. (2005). Travestismo fetichista na População los Geral: Prevalência e correlatos: Journal of Sex & Estado civil, Terapia Vol 31 (2) 2005, 87-95.
  • Laqueur, T. W. (2003). solitário sexo: Uma História da cultural masturbação. Brooklyn, NY: Zona Books.
  • Lassen, C. L. & Held, M. L. (1974). Tudo o Que rápido Você Sempre Quis Saber Sobre Sexo Films: PsycCRITIQUES Vol 19 (6), Jun de 1974.
  • Laufer, M. (1976). A fantasia centro de masturbação, a Organização sexual final, e na adolescência: o Estudo psicanalítico da Criança Vol 31 29 1976 7-316.
  • Laufer, M. & Laufer, E. M. (1984). Adolescência e Repartição de Desenvolvimento: Uma Visão psicanalítica. New Haven, CT: Yale University Press.
  • Laufer, E. M. (1982). masturbação feminina na adolescência e o Desenvolvimento da Relação com o Corpo: International Journal of Psycho-Analysis Vol 63 (3) 1982, 295-302.
  • Leis, D. R. & Marshall, W. L. (1991). recondicionamento masturbatória com desvia Sexuais: Uma Análise avaliativa: Avanços na Behaviour Research & Terapia Vol 13 (1) 1991, 13-25.
  • Lazarus, D. (1976). Um Estudo exploratório de fantasias masturbação masculina: Dissertação Abstracts International.
  • Leff, J. J. (1979). Relação Entre Modo de Atividade masturbatória e Modo subsequente de atingir o orgasmo Durante O coito EM Mulheres: Dissertação Abstracts International.
  • Leff, J. J. & Israel, M. (1983). A Relação Entre o Modo de masturbação feminina e da Realização do orgasmo sem coito: Archives of Sexual Behavior Vol 12 (3) junho 1983, 227-236.
  • Leitenberg, H. Detzer, M. J. & Srebnik, D. (1993). Como Diferenças de género em masturbação e uma Relação da Experiência de masturbação na pré-adolescência e / ou Início da adolescência Ao Comportamento e sexual Ajustamento sexual na Idade adulta Jovem: Archives of Sexual Behavior Vol 22 (2) abril 1993, 87-98.
  • Lester, D. (1973). Telefone Aconselhamento e masturbador: Um dilema: Clinical Social Work Journal Vol 1 (4) Win 1973, 257-260.
  • Leung, A. K. & Robson, L. W. (1993). masturbação infantil: Pediatria Clínica Vol 32 (4) abril 1993, 238-241.
  • Levin, R. J. (2007). A Atividade sexual, Saúde e Bem-Estar – os papeis benéficos do coitus e da masturbação: e Sexual Relacionamento Terapia Vol 22 (1) Fev de 2007, 135-148.
  • Lipsith, J. McCann, D. & Goldmeier, D. (2003). Homem psicogênica Disfunção sexual: O papel da masturbação: e Sexual Terapia Relacionamento Vol 18 (4) novembro de 2003 448-471.
  • Liu, T. Zhang, H. & Zang, D. (1997). Diferenças Sexuais de Comportamento masturbação é Sua influência na Saúde DOS mentais adolescentes: Chinese Mental Saúde Journal Vol 11 (3) 1997, 148-150.
  • Lo Presto, C. T. Sherman, M. F. & Sherman, N. C. (1985). Os Efeitos de hum Seminário masturbação Sobre as atitudes Elevadas machos Escolares, Falsas crenças, culpa e Comportamento: Journal of Sex Research Vol 21 (2) maio de 1985, 142-156.
  • Loe, D. C. (1982). Um Relatório clínico de hum Caso de perversão sexual-religiosa: Journal of the American Society of Psychosomatic Odontologia & Medicine Vol 29 (3) 1982, 104-106.
  • Looft, W. R. (1973). Desenvolvimento atraves de da Idade: PsycCRITIQUES Vol 18 (11), Nov de 1973.
  • LoPiccolo, J. (1978). Revisão do Estudo Shanor: fazer sexual Sensibilidade macho fazer Americano: PsycCRITIQUES Vol 23 (12), Dez de 1978.
  • LoPiccolo, J. (1982). Revisão de Escolhas Sexuais: Uma Introdução à Sexualidade Humana: PsycCRITIQUES Vol 27 (1), Jan de 1982.
  • Love-Trescott, E. (1987). Como Estratégias de Intervenção Para a masturbação pública e homossexualidade Entre individuos Deficientes institucionalizados: RECOMENDAÇÕES de Terapeutas Sexuais: Dissertação Abstracts International.
  • Baixo, W.-Y. Ng, C.-J. Fadzil, K. S. & Ang, E.-S. (2007). Questões Sexuais: Vamos Ouvi-lo a Partir dos Meninos da Malásia: Jornal dos Homens de Saúde & Vol Sexo 4 (3) Ajuste de 2007, 283-291.
  • Luiselli, J. K. Helfen, C. S. Pemberton, B. W. & Reisman, J. (1977). A eliminação da masturbação em sala de aula de Uma Criança POR overcorrection e Reforço: Journal of Behavior Therapy and Experimental Psychiatry Vol 8 (2) junho 1977, 201-204.
  • Lunde, I. Larsen, G. K. Nevoeiro, E. & Garde, K. (1991). O Desejo sexual, Orgasmo e fantasias Sexuais: Um Estudo de 625 Mulheres dinamarquesas Nascido em 1910, 1936, e 1958: Journal of Sex Education & Terapia Vol 17 (2) Soma 1991, 111-115.
  • Lundervold, D. A. & Young, L. G. (1992). classificações de Tratamento de aceitabilidade parágrafo agressores Sexuais: Efeitos de diagnóstico e ofensa: Research in Developmental Disabilities Vol 13 (3) Maio-junho 1992, 229-237.
  • MacCulloch, M. J. Snowden, P. R. Madeira, P. J. & Mills, H. E. (1983). fantasia Sádica, Comportamento sádico e ofensivo: British Journal of Psychiatry Vol 143 julho 1983, 20-29.
  • MacKnight, C. & Rojas-Fernandez, C. (2000). Quetiapina PARA O Comportamento inapropriado sexual na Demência: Journal of the American Geriatrics Society Vol 48 (6) junho 2000, 707.
  • Mah, K. & Binik, Y. M. (2005). São Orgasms NA mente OU O Corpo? Psicossocial Versus fisiológicas Correlatos de prazer orgástico e Satisfação: Journal of Sex & Estado civil, Terapia Vol 31 (3) Maio-Jun 2005, 187-200.
  • Makári, G. J. (1997). histeria de Dora ea maturação da Teoria de transferencia de Sigmund Freud: Uma Nova Interpretação Histórica: Jornal da Associação Americana de Psicanálise Vol 45 (4) 1997, 1061-1096.
  • Malan, M. K. (2004). O Iluminismo Como Genesis de 18 do Século Masturbação Degeneração Hysteria: Journal of Sex Research Vol 41 (3) Ago 2004 313-315.
  • Malan, M. K. (2006). Compreender Métodos de Mudança em atitudes Culturais Mórmons Além "oficial" visões doutrinárias e populares de Imagem de hum Público RESPOSTA um Christensen: Sexualidade & Cultura: Uma Interdisciplinar Quarterly Vol 10 (3) Soma 2006, 100-112.
  • Malan, M. K. & Bullough, V. (2005). Desenvolvimento histórico de Novas atitudes masturbação na cultura Mórmon: Silêncio, conformidade secular, contra-Revolução e reforma emergente: Sexualidade & Cultura: Uma Interdisciplinar Quarterly Vol 9 (4) Fal de 2005, 80-127.
  • Malatesta, V. J. (1979). Efeitos do sistema operacional do Álcool Sobre a latência da ejaculação Nos machos Humanos: Dissertação Abstracts International.
  • Malatesta, V. J. Pollack, R. H. Wilbanks, W. A. & Adams, H. E. (1979). Efeitos do sistema operacional do Álcool Sobre a RESPOSTA Orgasmica-ejaculatório em machos Humanos: Journal of Sex Research Vol 15 (2) maio 1979, 101-107.
  • Maldonado, J. L. (1999). resistências narcísicas na Experiência analítica: International Journal of Psycho-Analysis Vol 80 (6) dezembro 1999, 1131-1145.
  • Maldonado, J. L. (2000). Resistência narcisista na Experiência analítica: Psicoanálisis: Revista de la asociacion Psicoanalitica de Buenos Aires Vol 22 (2) 2000, 387-413.
  • Maliszewski, M. (1990). cephalalgia masturbatória: A necessidade de Intervenção Médica e Terapêutica: Dor de Cabeça Quarterly Vol 1 (1) 1990, 85-86.
  • Marcus, I. M. & Francis, J. J. (1975). Masturbação: Da infância à senescencia. Oxford, Inglaterra: International Universities Press.
  • Markociejski, B. & Sorensen, K. (1991). Comportamento auto-erótica em um homem mentalmente retardado, sem hum pênis (?): Nordisk Sexologi Vol 9 (2) setembro 1991, 121-124.
  • Marshall, G. L. (1974). A Abordagem combinada de Tratamento de Pará de Redução de Múltiplos comportamentos fetiche-Relacionados: Journal of Consulting e psicologia clínica Vol 42 (4) agosto 1974, 613-616.
  • Marshall, W. L. (1975). Recolher uma masturbatória culpa: Journal of Behavior Therapy and Experimental Psychiatry Vol 6 (3) outubro 1975, 260-261.
  • Marshall, W. L. (2006). Aversão olfativa e dirigido Masturbação na Modificação de preferencias desviantes: Um Estudo de Caso de hum molestador de Crianças: Caso Clínico Estudos Vol 5 (1) Jan 2006, 3-14.
  • Marshall, W.L. & Lippens, K. (1977). O valor clínico de tédio: Um Procedimento Pará Recolher Interesses Sexuais impróprias: Journal of Nervous e Vol Mental Disease 165 (4) outubro 1977, 283-287.
  • Martin, C. E. (1978). Uma Investigação de auto-Estimulação erótica: A Relação Entre como ATIVIDADES DE masturbação, estilo de personalidade, a identificação dos pais e Variáveis ​​das Relações de objeto em Homens Adultos: Dissertação Abstracts International.
  • Martinez, R. (2005). Câncer de próstata e Sexo: Journal of Gay & Vol Psicoterapia Lesbian 9 (1-2) 2005, 91-99.
  • Matthiesen, S. & Hauch, M. (2004). Que Sera como Diferenças de género desaparecer? Dissolução, Reversão, OU a continuidade das Diferenças de Gênero Tradicionais sem Comportamento sexual: Um Estudo Empírico COM Três Gerações: Verhaltenstherapie & Psychosoziale Praxis Vol 36 (3) 2004, 491-508.
  • Maybrey, C. (2005). Revisão de The Big Book of Masturbação: De Angst Ao zelo: Archives of Sexual Behavior Vol 34 (4) agosto de 2005, 473-475.
  • McDermott, G. W. (1982). Um Exame da Relação Entre androginia e O Uso de fantasia POR Fêmeas Durante a masturbação: Dissertação Abstracts International.
  • McDonnell, S. M. Garcia, M. C. & Kenney, M. R. (1987). ereção induzida POR imipramina, masturbação e ejaculação Nos cavalos do sexo masculino: Pharmacology, Biochemistry and Behavior Vol 27 (1) maio de 1987, 187-191.
  • McGuire, B. E. Choon, G. L. Nayer, P. & Sanders, J. (1998). Uma parafilia Incomum: Relato de caso de partialism via oral: Sexual & Estado civil, Terapia Vol 13 (2) maio de 1998, 207-210.
  • McKinney, F. (1941). Convenções e afeições Sociais. Hoboken, NJ: John Wiley & Sons Inc.
  • McKinney, F. (1949). Afetos E Convenções: McKinney, Fred.
  • McMullen, S. & Rosen, R. C. (1979). Auto-administrado Formação a masturbação não Tratamento da Disfunção Orgasmica Primária: Journal of Consulting e psicologia clínica Vol 47 (5) outubro 1979, 912-918.
  • McMullen, S. J. (1977). Procedimentos automatizados parágrafo Tratamento da Disfunção Orgasmica Primária: Dissertação Abstracts International.
  • McNab, W. L. (1976). Desenvolvimento atitude em sexual Crianças e o papel dos pais: Journal of School Health Vol 46 (9) novembro 1976, 537-542.
  • McNally, R. J. & Lukach, B. M. (1991). Tratamento comportamental de exibicionismo zoofílicos: Journal of Behavior Therapy and Experimental Psychiatry Vol 22 (4) dezembro 1991, 281-284.
  • Mednick, R. A. (1977). um Angústia da morte e fantasia sexual: Omega: Journal of Morte EO Morrer Vol 8 (2) 1977-1978, 117-127.
  • Mednick, R. A. (1977). Variações Específicas do género em fantasia sexual: Journal of Vol Determinação da Personalidade 41 (3) junho 1977, 248-254.
  • Mehta, M. D. (2001). Pornografia na Usenet: Um Estudo com 9.800 Imagens selecionadas aleatoriamente: cyberpsychology & Comportamento Vol 4 (6) Dezembro 2001, 695-703.
  • Meltzer, D. (1988). A Relação da masturbação anal parágrafo identificação projetiva. Florence, KY: Taylor & Frances / Routledge.
  • Meo, R. Bilo, L. & Striano, S. (1985). Um Caso Único de "masturbatória" convulsões NA epilepsia generalizada Primária: Acta Neurologica Vol 7 (5) outubro 1985, 409-415.
  • Mercuri, G. (1974). Breves OBSERVAÇÕES Sobre masturbação: Lavoro Neuropsichiatrico Vol 55 (1-2) Jun-outubro 1974, 269-273.
  • Miller, W. R. & Lief, H. I. (1976). Atitudes masturbatórias, Conhecimento e Experiência: Dados ósmio fazer teste do Conhecimento Sex and Attitude (Skat): Archives of Sexual Behavior Vol 5 (5) setembro 1976, 447-467.
  • Mims, F. H. (1974). Um Curso interdisciplinar na Sexualidade humana parágrafo Estudantes de medicina e de enfermagem: Dissertação Abstracts International.
  • Dinheiro, J. (1996). Sexologia da masturbação ictal na infância: Journal of Sex & Estado civil, Terapia Vol 22 (4) Win 1996, 280-283.
  • Dinheiro, J. & Bohmer, C. (1980). Prison sexologia: Duas Contas Pessoais de masturbação, homossexualidade, e estupro: Journal of Sex Research Vol 16 (3) agosto 1980, 258-266.
  • Dinheiro, J. Joshi, V. N. & Prakasam, K. S. (1992). "Kama Sutra": Sexologia da Mulher contra a Teoria Conservação de sêmen Nos ensinamentos sânscrito. Thousand Oaks: Sage Publications, Inc.
  • Dinheiro, J. Wainwright, G. & Hingsburger, D. (1991). O orgasmo sem fôlego: Uma biografia lovemap de asphyxiophilia. Amherst, NY: Prometheus Books.
  • Mootnick, A.R. & Baker, E. (1994). Masturbação em Cativeiro Hylobates (gibões): Zoo Biology Vol 13 (4) de 1994, 345-353.
  • Mora Anto, A. Munoz Cuartas, L. Stella Ayala Chaves, L. & Pedraza Saavedra, L. (1987). Um Estudo descritivo das Experiências Sexuais de Meninos adolescentes Delinqüentes e predelinquent em hum reformatorio em Cali: Revista Latinoamericana de Sexologia Vol 2 (2) 1987, 173-200.
  • Morales, H. H. (1998). Atitudes de dos adolescentes em Relação à Sexualidade: Archivos Hispanoamericanos de Sexologia Vol 4 (2) 1998, 229-258.
  • Mosher, D. L. (1979). atitudes negativas em relacão a terapia masturbação em sexual: Journal of Sex & Estado civil, Terapia Vol 5 (4) Win 1979, 315-333.
  • Mosher, D. L. & Abramson, R. P. (1977). excitação sexual subjetiva de filmes de masturbação: Journal of Consulting e psicologia clínica Vol 45 (5) outubro 1977, 796-807.
  • Mosher, D. L. & O’Grady, K. E. (1979). Ameaça homossexual, atitudes negativas em relacão a masturbação, culpa o sexo, e como Reações Sexuais e afetivas dos machos parágrafo filmes de sexo explícito: Journal of Consulting e psicologia clínica Vol 47 (5) outubro 1979, 860-873.
  • Mosher, D. L. & Vonderheide, S. G. (1985). Contribuições de culpa sexual e culpa a masturbação um atitudes contraceptivos Femininos e USO: Journal of Sex Research Vol 21 (1) fevereiro 1985, 24-39.
  • Myers, A. W. (1977). Micropsia e retrações testiculares: Psicanalítica Quarterly Vol 46 (4) outubro 1977, 580-604.
  • Nairne, K. D. & Hemsley, D. R. (1983). O Uso de Formação masturbação Dirigida sem Tratamento de anorgasmia Primária: British Journal of Clinical Psychology Vol 22 (4) nov 1983, 283-294.
  • Narchi, H. (2003). masturbação imitando desordens paroxística infantis: Journal of Pediatric Neurology Vol 1 (1) Jun-Set 2003, 43-45.
  • Neu, J. (2002). Uma ética da fantasia: Jornal de teóricos e Filosóficos Vol Psychology 22 (2) Fal 2002, 133-157.
  • Noble, H. & Goh, B. T. (2004). edema peniano chronic Secundária à masturbação chronic: International Journal of STD & AIDS Vol 15 (7) Julho 2004, 489-490.
  • O’Halloran, R. L. & Dietz, P. E. (1993). fatalidades Autoerotic com Potência hidráulica: Journal of Forensic Sciences Vol 38 (2) março 1993, 359-364.
  • Oropeza, B. J. (2006). O Que É sexo? Cristãos e Fronteiras eróticos. New York, NY: Peter Lang Publishing.
  • Ortega, V. Ojeda, P. Sutil, F. & Serra, J. C. (2005). Culpa sexo EM adolescentes: Estudando Alguns Fatores Relacionados: Anales de Psicologia Vol 21 (2) Dez de 2005, 268-275.
  • Ozmen, M. Erdogan, A. Duvenci, S. Özyurt, E. & Ozkara, C. (2004). masturbação excessiva Apos uma Cirurgia de Epilepsia: Epilepsia & Comportamento Vol 5 (1) fevereiro 2004, 133-136.
  • Pallavicini, J. (1984). Sexualidade em Estudantes Universitários adolescentes Normais: Revista de Psiquiatria Clínica Vol 21 (1) 1984, 47-56.
  • Pasche, F. (1983). Para Definir uma perversão: Revue Française de Psicanálise Vol 47 (1) Jan-Fev 1983, 396-402.
  • Patton, S. M. (1985). Masturbação Ao judaísmo parágrafo Victorianism: Journal of Religion & Saúde Vol 24 (2) Soma 1985, 133-146.
  • Patton, S. M. (1986). atitudes do Século XX em Direção a masturbação: Journal of Religion & Saúde Vol 25 (4) Win 1986, 291-302.
  • Paul, R. A. (2006). Defraudando Freud: Carta de Dora à posteridade: Americana Imago Vol 63 (2) Soma 2006, 159-182.
  • Payn, N. M. (1977). Além do orgasmo: Um Estudo do Efeito Sobre os Sistemas casal de Tratamento em Grupo para Mulheres pré-Orgasmica: Dissertação Abstracts International.
  • Peeler, W. H. (1978). Respostas subjetivas das Mulheres à orgasmo sexual: Dissertação Abstracts International.
  • Pelaccio, J. (1996). fantasias de masturbação em Uma menina prelatency: Cedo Femininos Conflitos Corpo fator Como hum fantasia determinante na Experiência da feminilidade Primária: Journal of the American Associação Psicanalítica Vol 44 (Suppl) 1996, 333-350.
  • Pelletier, L. A. & Herold, E. S. (1988). A Relação da Idade, culpa o sexo, e experiencia sexuais COM Fantasias Sexuais Femininas: Journal of Sex Research Vol 24 1988, 250-256.
  • Penner, C. L. (1982). A Reação à Abordagem Bíblica de Johnson Pará uma masturbação: Journal of Psychology & Teologia Vol 10 (2) Soma 1982, 147-149.
  • Peralta Sanchez, A. (1998). Menopausa e Sexualidade: Archivos Hispanoamericanos de Sexologia Vol 4 (1) 1998 97-121.
  • Pereda, M. C. d. (2001). adolescente ressignificação. Philadelphia, PA: Whurr Publishers.
  • Perelman, M. A. (1994). Masturbação revisitado: Contemporâneo Urologia Vol 6 (11) novembro de 1994, 68-70.
  • Perman, J. M. (1979). Um parágrafo busca Um Mãe: Regressão narcísica Como Uma via de infância luto na: Psicanalítica Quarterly Vol 48 (3) 1979, 448-464.
  • Petrelli, D. (2006). Psicogênese de hum Caso de homossexualidade feminina: Rivista di Psicoanalisi Vol 52 (4) Out-Dez 2006, 1013-1033.
  • Petrelli, D. (2007). Um Caso de homossexualidade feminina. Notas e Comentários Sobre hum Caso sem nome. Roma, Itália: Borla Edizioni SRL.
  • Philippsohn, S. Heiser, K. & Hartmann, U. (2003). A Satisfação e sexual mitos Sexuais Entre as Mulheres: Os Resultados de Uma Pesquisa Sobre os Determinantes da Satisfação sexual: Sexuologie Vol 9 (4) 2003, 148-154.
  • Phipps, W. E. (1977). Masturbação: vício OU Virtude: Journal of Religion & Saúde Vol 16 (3) julho 1977, 183-195.
  • Piliero, C. A. (1995). Cognitiva re-estruturação e OS Estados mentais de criminosos Sexuais na adolescência: Estudo dos Efeitos de Tres intervenções quasi-experimental. Dissertação Abstracts International: Seção B: Como Ciências e Engenharia.
  • Pinkerton, S. D. Bogart, L. M. Cecil, H. & Abramson, R. P. (2002). Fatores Associados à masturbação na Amostra colegiado: Journal of Psychology & Sexualidade Humana Vol 14 (2-3) 2002, 103-121.
  • Polonsky, D. C. (2006). Revisão de The Big Book of Masturbação: De Angst parágrafo Zeal: Journal of Sex & Estado civil, Terapia Vol 32 (1) Jan-Fev 2006 75-78.
  • Pomerantz, S. M. (1991). Quinelorane (LY163502), um agonista do receptor de dopamina D2, idade centralmente Para facilitar ereções penianas de macacos rhesus macho: Farmacologia, Bioquímica e Comportamento Vol 39 (1) maio de 1991, 123-128.
  • Potamianou, A. (1983). Para tocar a distância: Revue Française de Psicanálise Vol 47 (1) Jan-Fev 1983, 403-408.
  • Proulx, J. McKibben, A. & Lusignan, R. (1996). Relações Entre OS Componentes afetivos e comportamentos Sexuais em agressores Sexuais: Abuso Sexual: Journal of Research and Treatment Vol 8 (4) Out 1996, 279-289.
  • Pryke, S. (2005). O Controle da Sexualidade no Início do Movimento Britânico Boy Scouts: Educação Sexual Vol 5 (1) Fev de 2005, 15-28.
  • Raboch junho J. Zverina, J. Raboch, J. Sindlar, M. & et ai. (1994). Masturbação em adolescentes: Ceska hum Slovenska Psiquiatria Vol 90 (2) abril 1994, 97-100.
  • Radbill, S. X. (1987). Crianças em Um Mundo de Violência: Uma História de abuso infantil. Chicago, IL: University of Chicago Press.
  • Rangaswami, K. & Palaniappun, V. (1995). Análise e Gestão de compulsão sexual em Uma Fêmea adulta solteira: Indian Journal of Clinical Psychology Vol 22 (2) setembro de 1995 61-64.
  • Ler, A. E. & Wiest, W. M. (1984). Uma Análise do Comportamento sexual auto-referida em Uma Amostra de Homens Normais: Archives of Sexual Behavior Vol 13 (1) fevereiro 1984, 69-83.
  • Reinberg, A. & Lagoguey, M. (1978). Os ritmos circadianos e circanuais em Atividade sexual e Hormônios de plasma (FSH, LH, testosterona) de cinco machos Humanos: Archives of Sexual Behavior Vol 7 (1) Jan 1978, 13-30.
  • Reisinger, J. J. (1974). Formação masturbatória sem Tratamento da Disfunção Orgasmica Primária: Jornal de Terapia Comportamental e Psiquiatria Experimental Vol 5 (2) setembro 1974, 179-183.
  • Reisinger, J. J. (1978). Efeitos da Estimulação erótica e Formação masturbatória APOS Disfunção orgástica situacional: Journal of Sex & Estado civil, Terapia Vol 4 (3) Fal 1978, 177-185.
  • Reisinger, J. J. (1979). Generalização de dos Efeitos do Tratamento Seguinte Formação masturbatória com Estímulos eróticos: Journal of Behavior Therapy and Experimental Psychiatry Vol 10 (3) setembro 1979, 247-250.
  • Resnik, H. P. L. (1988). Erotizada enforcamentos repetitivos. Lanham, MD: Jason Aronson.
  • Arroz, E. (1973). Fantasia, masturbação e Suicídio: International Journal of Psicoterapia Psicanalítica Vol 2 (2) Maio de 1973, 194-220.
  • Arroz, E. (1985). O papel da fantasia edipiana em fenómenos masturbatórias e suicidas: International Journal of Psicoterapia Psicanalítica Vol 11 1985-1986, 243-267.
  • Riley, J. A. & Riley, J. E. (1978). Um Estudo Controlado Para avaliar a masturbação Indicado sem Tratamento da Insuficiência Orgasmica Primária EM Mulheres: British Journal of Psychiatry Vol 133 novembro 1978, 404-409.
  • Riley, J. A. & Riley, J. E. (1986). O Efeito do diazepam na dose de Única RESPOSTA feminina sexual induzida POR masturbação: sexual & Estado civil, Terapia Vol 1 (1) 1986, 49-53.
  • Rinehart, N. J. & McCabe, M. P. (1998). Uma Investigação EMPIRICA da hipersexualidade: Sexual & Estado civil, Terapia Vol 13 (4) novembro de 1998 369-384.
  • Ritvo, S. (1977). Adolescente uma mulher. Oxford, Inglaterra: International Universities Press.
  • Robinson, B. E. B. Bockting, W. O. & Harrel, T. (2002). Masturbação e Saúde sexual: Estudo exploratório de renda Mulheres de baixa afro-Americanos: Journal of Psychology & Sexualidade Humana Vol 14 (2-3) 2002, 85-102.
  • Robinson, C. P. Conahan, F. & Brady, W. (1992). Recolher uma masturbação auto-agressivo utilizando hum modelo Menos intrusiva e Equipamentos de Adaptação: Sexualidade e Deficiência Vol 10 (1) Spr 1992, 43-55.
  • Robinson, J. D. & Parks, C. W. (2003). Lésbicas e fantasias Sexuais, Ajustamento Psicológico das Mulheres bissexuais e Fechar FUNCIONAMENTO fazer Relacionamento: Journal of Psychology & Sexualidade Humana Vol 15 (4) 2003, 185-203.
  • Roller, C. G. (2004). Addiction Sexo e as Mulheres: Uma Questão de enfermagem: Journal of Nursing Vícios Vol 15 (2) 2004, 53-61.
  • Rosenthal, M. Berkman, P. Shapira, A. Gil, I. & Abramovitz, J. (2003). masturbação uretral e desinibição sexual na Demência: relato de caso: Israel Journal of Psychiatry e Ciências Afins Vol 40 (1) 2003, 67-72.
  • Rowan, E. L. (1989). Editorial: Masturbação according com o Boy Scout Handbook: Journal of Sex Education & Terapia Vol 15 (2) Soma 1989, 77-81.
  • Rowland, D. L. Strassberg, D. S. de Gouveia Brazão, C. A. & Slob, K. A. (2000). latência ejaculatória e Controle em Homens com ejaculação precoce: Uma Análise em TODAS como Actividades Sexuais usando multiplas Fontes de Informação: Journal of Psychosomatic Research Vol 48 (1) Jan 2000, 69-77.
  • Rubino, I. A. (1984). o "selbst-"Tempo: Psicoterapia Analítica & Psicopatologia Vol 1 (1) 1984, 49-56.
  • Salsabili, N. Ziaei, A. M. Taheri, M. Akbari, K. & Jalaie, S. (2006). Impacto do esperma Métodos de Recolha de esperma Parâmetros na medula lesionada Homens e comparados AOS Controles Normais não Programa ICSI: Sexualidade e Deficiência Vol 24 (3) Definir 2006, 141-149.
  • Sanford, K. (1994). Em Direção a Uma ética de masturbação: Journal of Psychology & Teologia Vol 22 (1) Spr 1994, 21-28.
  • Afundou, L. I. (1998). síndrome masturbatória traumática: Journal of Sex & Estado civil, Terapia Vol 24 (1) Jan-Mar 1998, 37-42.
  • Sansone, R. A. & FERLAN, M. (2007). Pramipexol e masturbação compulsiva: Psychiatry Vol 4 (9) Ajuste de 2007, 57-59.
  • Sarnoff, S. & Sarnoff, I. (1979). excitação sexual / paz sexual: O lugar da masturbação em Relacionamentos Adultos. Oxford, Inglaterra: M Evans & Co.
  • Saunders, J. E. (1989). Life-ameaçando Comportamento auto-erótica: um desafio parágrafo educadores Sexuais e Terapeutas: Journal of Sex Education & Terapia Vol 15 (2) Soma 1989, 82-91.
  • Schalin, L.-J. (1995). Em auto-erotismo e Objeto Relações nenhuma Desenvolvimento psico-sexual: Alguns Pontos de Vista Sobre como Teorias da Unidade de Freud: Scandinavian Psicanalítica Vol 18 (1) 1995, 22-40.
  • Schuetz, C. W. (1978). Características dos masturbadores e Não-masturbators em Uma População feminina: Dissertação Abstracts International.
  • Schur, E. (1968). Perspectivas Sociológicas Sobre Desvio sexuais: PsycCRITIQUES Vol 13 (7), Jul de 1968.
  • Schuster, M. A. Bell, R. M. & Kanouse, D. E. (1996). Como Práticas Sexuais de adolescentes virgens: Atividades Sexuais genitais de Estudantes do ensino médio Que Nunca tiveram Relações Sexuais vaginais: American Journal of Public Health Vol 86 (11) nov 1996, 1570-1576.
  • Sgroi, S. M. Bunk, B. S. & Wabrek, C. J. (1988). comportamentos Sexuais das Crianças é Sua Relação com o abuso sexual. Lexington, MA, Inglaterra: Lexington Books / D C Heath e Com.
  • Shand, A. (2007). Ansiedade sémen: materialidade, a Agência e da Internet: Antropologia & Medicine Vol 14 (3) Dez de 2007, 241-250.
  • Shapiro, T. (2008). Masturbação, Sexualidade e Adaptação: Normalização na adolescência: Jornal da Associação Americana de Psicanálise Vol 56 (1) Mar 2008, 123-146.
  • Sharma, V. & Sharma, A. (1998). A culpa EO prazer da masturbação: Um Estudo de meninas da faculdade em Gujarat, Índia: Sexual & Estado civil, Terapia Vol 13 (1) fevereiro de 1998 63-70.
  • Shengold, L. (1982). O símbolo de telefonar: Jornal da Associação Americana de Psicanálise Vol 30 (2) 1982, 461-470.
  • Shepard, B. (2004). Masturbando Madness: Sexualidades Vol 7 (3) Ago 2004 363-368.
  • Shulman, J. L. & Casa, S. G. (2003). O Uso de auto-prazer: imagem corporal Masturbação e Entre as Mulheres afro-americanas e: Psychology of Women Quarterly Vol 27 (3) setembro de 2003 262-269.
  • Silbert, D. T. (1987). Masturbação em Relação à moral sexual: Dissertação Abstracts International.
  • Siller, J. (1979). exacerbação ritualizada sintoma Como O Caminho última Comum parágrafo Redução da Tensão: Psicoterapia: Teoria, Pesquisa & Prática Vol 16 (2) Soma 1979, 148-151.
  • Singh, M. P. & Mishra, N. (2001). valor diagnóstico e terapêutico de teste SIS-II: Journal of Psychology Projective & Saúde Mental Vol 8 (2) julho 2001, 141-142.
  • Sipski, M. L. Alexander, C. J. & Rosen, R. (2001). excitação e orgasmo sexuais em Mulheres: Efeitos da lesão medular: Annals of Neurology Vol 49 (1) Jan 2001, 35-44.
  • Slimp, J. C. (1976). Efeitos de lesões hipotálamo pré-óptica medial-anterior Sobre o Comportamento heterossexual, masturbação e Comportamento Social de macacos rhesus macho: Dissertação Abstracts International.
  • Slimp, J. C. Hart, L. B. & Goy, R. W. (1978). heterossexual Comportamento, autosexual e sociais dos Adultos macacos rhesus fazer sexo masculino com lesões hipotálamo pré-óptica medial-anterior: Brain Research Vol 142 (1) fevereiro 1978, 105-122.
  • Slimp, J. C. Hart, L. B. & Goy, R. W. (2007). heterossexual Comportamento, e autosexual sociais dos Adultos macacos Rhesus fazer sexo masculino com lesões hipotálamo pré-óptica medial-anterior. Cambridge, MA: MIT Press.
  • Slosarz, W. (1992). Fixação masturbação e o Problema da Adaptação Às Parcerias heterossexuais: Algumas implicações: Sexual & Estado civil, Terapia Vol 7 (3) 1992, 275-281.
  • Smallbone, S. W. & McCabe, B.-A. (2003). apego Infância, abuso sexual na infância e Início da masturbação Entre agressores Sexuais Adultos: Abuso Sexual: Journal of Research and Treatment Vol 15 (1) Jan 2003, 1-10.
  • Smith, A. M. A. Rosenthal, D. A. & Reichler, H. (1996). Práticas Estudantes ‘masturbatórias fazer ensino médio: a Relação com o SUA como Relações Sexuais e Características Pessoais: Psychological Reports Vol 79 (2) outubro 1996, 499-509.
  • Soifer, R. (1990). Narcisismo, auto-erotismo, simbiose e incesto: SUA Ligação com Duas Formas de Relação objetal nsa Primeiros ano de vida: Revista de Psicoanálisis Vol 47 (2) Mar-Abr 1990, 335-338.
  • Spak, D. J. (1982). Um Estudo exploratório Sobre fantasias Sexuais Homossexuais masculinos: Dissertação Abstracts International.
  • Spencer, S. L. (1982). Atitudes em Relação à masturbação: Um Estudo na Percepção pessoa: Dissertação Abstracts International.
  • Starin, E. D. (2004). Masturbação OBSERVAÇÕES não de Temmnick Red Colobus: Folia Primatologica Vol 75 (2) 2004, 114-117.
  • Stark, T. (2005). A posição masturbatória ea Exclusão de sedução. Um Conceito Situação Teórica e como SUAS consequencias Técnicas: Psyche: Zeitschrift fur Psychoanalyse und ihre Anwendungen Vol 59 (1) Jan 2005, 1-33.
  • Stephanos, S. (1978). identificações Primárias patológicos e SEUS Efeitos Sobre a Economia psicossomática do individuo: Psicoterapia e Psicossomática Vol 30 (1) 1978, 56-67.
  • Story, M. D. (1982). Uma Comparação de Experiências estudante universitário com Vários Estabelecimentos Sexuais em 1974 e 1980: Adolescência Vol 17 (68) Win 1982, 737-747.
  • Strager, S. (2003). O Que OS Homens Assistir when they veem pornografia: Sexualidade & Cultura: Uma Interdisciplinar Quarterly Vol 7 (1) Win 2003, 50-61.
  • Sue, D. (1978). Masturbação não treatment in vivo de impotencia: Journal of Behavior Therapy and Experimental Psychiatry Vol 9 (1) março 1978, 75-76.
  • Sullivan, G. & Reynolds, R. (2003). Homossexualidade em Midlife: Narrativa e Identidade: Journal of Gay & Lesbian Serviços Sociais: na Prática, Política & Vol Research 15 (3-4) 2003, 153-170.
  • Sullivan, P. (1992). RMF (Radiant fantasia masturbatória): Psychiatrie de l’Enfant Vol 35 (1) 1992, 33-42.
  • Szasz, T. S. (1983). Falando Sobre Sexo: patologia e terapia sexual sexual Como retórica: Irish Journal of Psychotherapy Vol 2 (2) setembro 1983, 51-54.
  • Tarnai, B. (2006). Avaliação de intervenções eficazes Pará uma masturbação Socialmente impróprio de Pessoas com deficiências cognitivas: Sexualidade e Deficiência Vol 24 (3) Definir 2006, 151-168.
  • Teicholz, J. G. (2002). Tratamento psicanalítico, OU Folie a deux:? PsycCRITIQUES Vol 47 (4), agosto de 2002.
  • Terrile, P. (1983). Freud e Spielrein: notas de rodapé PARA O Conceito instinto de morte: Giornale Storico di Psicologia Dinamica Vol 7 (14) junho 1983, 88-102.
  • Thomsen, R. & Soltis, J. (2004). Masturbação masculina nenhum livre-Variando Macacos Japoneses: International Journal of Primatology Vol 25 (5) Out 2004, 1033-1041.
  • Tiefer, L. (1998). Masturbação: Beyond cautela, complacencia e Contradição: Sexual & Estado civil, Terapia Vol 13 (1) fevereiro de 1998 9-14.
  • Tiefer, L. (1999). naturalismo desafiador sexual, o shibboleth de Pesquisa e sexual sexologia popular. Lincoln, NE: University of Nebraska Press.
  • Topiar, A. & Duskova, M. (1975). Um Caso de sodomia: Cesko-Slovenska Psiquiatria Vol 71 (6) 1975, 386-388.
  • Torres, A. M. (1998). Comportamento erótico em adolescentes do sexo masculino e feminino: Archivos Hispanoamericanos de Sexologia Vol 4 (2) 1998, 259-306.
  • Tosquelles, F. (1985). No Que Diz Respeito narcisismo é Sua Relação com o Desenvolvimento da Personalidade: Clinica y Analisis Grupal Vol 9 (36) abr-jun 1985, 258-272.
  • Trivedi, N. & Sabini, J. (1998). viés Voluntário, Sexualidade e Personalidade: Archives of Sexual Behavior Vol 27 (2) abril 1998, 181-195.
  • Tromovitch, P. M. (2000). A Medida multidimensional de Conforto com a Sexualidade (MMCS1): O Desenvolvimento de Uma Medida objetiva multidimensional de Conforto com um Sexualidade parágrafo OSU na Educação sexual e pesquisa. Dissertação Abstracts International Seção A: Ciências Humanas e Sociais.
  • Valedon, C. (2002). www.masturbation.com: Tropicos: Revista de Psicoanálisis Vol 10 (2) 2002, 134-142.
  • Valença, M. M. Valença, L. P. A. A. Bordini, C. A. da Silva, W. F. Leite, J. P. Antunes-Rodrigues, J. et al. (2004). Cerebral vasoespasmo e dor de Cabeça Durante a Relação e sexual masturbação Orgasms: Dor de Cabeça: O Jornal de Cabeça e sem Rosto Dor Vol 44 (3) março 2004, 244-248.
  • Van Dyke, D. C. McBrien, D. M. & Mattheis, P. J. (1996). psicossexual Comportamento, Questões de Sexualidade e de Gestão em individuos com síndrome de Down. Philadelphia, PA: Whurr Publishers.
  • Van Wyk, P. H. (1982). Relação de ritmo gasto em Tarefas de masturbação com o resultado do orgasmo em grupos de Mulheres pré-Orgasmica: Journal of Sex Research Vol 18 (1) fevereiro 1982, 33-40.
  • Vandeventer, A. D. & Leis, D. R. (1978). recondicionamento parágrafo Orgasmic redirecionar excitação pedófilos EM sexuais: Behavior Therapy Vol 9 (5) novembro 1978, 748-765.
  • Vaught Godfrey, R. (2006). One-Man Show erra O Alvo: PsycCRITIQUES Vol 51 (2), 2006.
  • Verma, K. K. Khaitan, B. K. & Singh, P. O. (1998). A Frequência de disfunções Sexuais em patients Que frequentam Uma clínica de terapia sexual sem norte da Índia: Archives of Sexual Behavior Vol 27 (3) junho 1998, 309-314.
  • Vermorel, H. (1992). Sobre a arte da ordenha das cabras de Billy, from a Antiguidade ATE OS NOSSOS tempos: Psicanálise a l’Universite Vol 17 (68) outubro 1992, 153-156.
  • Wade, L. D. Kremer, E. C. & Brown, J. (2005). O orgasmo Ao Fundo: a Presença de Clitoral Conhecimento e da ausencia de orgasmo Para Mulheres: Mulheres & Health Vol 42 (1) 2005, 117-138.
  • Wagner, N. N. (1978). A masturbação E AINDA Errado? Comentários Sobre os Comentários de Bailey: Journal of Consulting e psicologia clínica Vol 46 (6) dezembro 1978, 1507-1509.
  • Wakefield, J. C. (1987). A semântica de Sucesso: o Faça Exercícios de masturbação Levar Ao orgasmo Parceiro: Journal of Sex & Estado civil, Terapia Vol 13 (1) Spr 1987, 3-14.
  • Wallace, D. H. & Barbach, G. L. (1974). Tratamento de grupo pré-Orgasmica: Journal of Sex & Estado civil, Terapia Vol 1 (2) Win 1974, 146-154.
  • Walsh, A. (2000). MELHORAR e CUIDADO: RESPOSTA AOS inadequado masturbação em PESSOAS COM deficiências severas Intelectuais: Sexualidade e Deficiência Vol 18 (1) Spr 2000, 27-39.
  • Walster, E. (1977). O Que as Mulheres Querem: PsycCRITIQUES Vol 22 (7), Jul de 1977.
  • Waltner, R. H. (1979). Diferenças rural-urbano em determinados Aspectos da Sexualidade Expressa: Dissertação Abstracts International.
  • Weizman, R. & Hart, J. (1987). O Comportamento sexual EM Homens Idosos casados ​​Saudáveis: Archives of Sexual Behavior Vol 16 (1) fevereiro 1987, 39-44.
  • Whipple, B. Gerdes, C. A. & Komisaruk, B. R. (1996). Respostas Sexuais uma auto-Estimulação em Mulheres com lesão medular completa: Journal of Sex Research Vol 33 (3) 1996, 231-240.
  • Whipple, B. Martinez-Gomez, M. Oliva-Zarate, L. Pacheco, P. & et ai. (1989). Relação inversa Entre a intensidade da analgesia vaginal auto-Estimulação-Produzido e nivel de ingestão Crónica de Uma fonte Alimentar de capsaicina: Fisiologia & Comportamento Vol 46 (2) agosto 1989, 247-252.
  • Whipple, B. Ogden, G. & Komisaruk, B. R. (1992). correlatos fisiológicos do orgasmo induzido POR IMAGENS Mulheres em: Archives of Sexual Behavior Vol 21 (2) abril 1992, 121-133.
  • Wichowicz, H. M. Cubala, W. J. & Grabowski, K. (2006). Opiniões Sobre o tema da vida sexual Entre OS Estudantes da Universidade Médica de Gdansk: Psychiatria Polska Vol 40 (1) Jan-Fev 2006 153-164.
  • Wiederman, M. W. & Pryor, T. (1997). insatisfação com o Corpo e Sexualidade Entre as Mulheres com bulimia nervosa Internacional Journal of Eating Disorders Vol 21 (4) Maio de 1997, 361-365.
  • Wiederman, M. W. Pryor, T. & Morgan, D. C. (1996). A experiencia sexuais das Mulheres diagnosticadas com anorexia nervosa OU bulimia nervosa: International Journal of Eating Disorders Vol 19 (2) março 1996, 109-118.
  • Williams, G. J. (1976). Da imoralidade uma anomalia: PsycCRITIQUES Vol 21 (9), Set de 1976.
  • Williams, N. (2005). Revisão de The Big Book of Masturbação: De Angst Ao zelo: Sex Roles Vol 52 (3-4) Fev de 2005, 267.
  • Wilsnack, S. C. Vogeltanz, N. D. Klassen, A. D. & Harris, T. R. (1997). Infância abuso sexual e abuso de substancias das Mulheres: ACHADOS Pesquisa Nacional: Journal of Studies on Alcohol Vol 58 (3) maio de 1997, 264-271.
  • Wincze, J.P. (1978). Sound Advice for Men: PsycCRITIQUES Vol 23 (10), outubro de 1978.
  • Withers, P. S. & Gaskell, S. L. (1998). A cognitivo-comportamental Intervenção parágrafo TRATAR inadequado masturbação em hum menino com dificuldade de Aprendizado leve: British Journal of Learning Disabilities Vol 26 (2) 1998, 58-61.
  • Wood, K. (2005). Revisão da masturbação Como hum Meio de alcançar a Saúde Sexual: Cultura, Saúde & Sexualidade Vol 7 (2) Mar-Abr de 2005, 182-184.
  • Yan, Y. Y. (2006). Como Respostas Sexuais e comportamentos de Estudantes Universitários em Hong Kong: International Journal of Adolescência e Juventude Vol 13 (1-2) 2006, 43-54.
  • Young, D. A. (2005). Conhecer a si MESMO. em especial: Masturbação e filosofia: Sexualidade & Cultura: Uma Interdisciplinar Quarterly Vol 9 (4) Fal de 2005, 58-79.
  • Yurtbay, T. & Gorker, I. (2004). Como Associações de emocionais e comportamentais Problemas das Crianças com uma infância masturbação e atitudes de SUAS Mães e síntomas Psicológicos: çocuk ve Genclik Ruh Sagligi Dergisi Vol 11 (2) 2004, 65-74.
  • Zamboni, B. D. & Crawford, I. (2002). Usando a masturbação na terapia sexual: Relações Entre a masturbação, o Desejo e sexual fantasia sexual: Journal of Psychology & Sexualidade Humana Vol 14 (2-3) 2002, 123-141.
  • Zohar, J. Kaplan, Z. & Benjamin, J. (1994). exibicionismo compulsivo Tratados com Sucesso com fluvoxamina: Um Estudo de Caso Controlado: Journal of Clinical Psychiatry Vol 55 (3) março 1994, 86-88.
  • Zucker, K. J. (1979). Primeiros pontos de vista de Freud Sobre a masturbação e como neuroses Atuais: Journal of the American Academy of Psychoanalysis & Dinâmica Psychiatry Vol 7 (1) Jan 1979, 15-32.

Ligações externas Editar

mensagens Relacionados

  • psicologia masculina e that they Realmente want6

    Marie Silva Marido e Seu, Jack, o Agir de pornografia. mas Seu sexo pornô NÃO Veio Naturalmente. De according com o Documentário Marie e Jack: A Love Story. (Amazon.com), they tiveram that Aprender ….

  • psicologia masculina e that they Realmente want1

    Rápido Você é hábil na decodificação psicologia masculina? Sabe Como ler o Seu homem? Sabe O Que Quer e Como mante-lo feliz? Os HOMENS PODEM Ser Muito Difícil de entendre. A DOS maioria Homens TEMPO …

  • Circuncisão masculina, peniana humano …

    Editor de s Nota: A narração e Legendas Neste Vídeo São em Inglês. Pará como Legendas em 13 página Outros idiomas, Veja este vídeo Não sítio da Organização Mundial de Saúde. Xavier …

  • E Usando a psicologia masculina parágrafo Obter …

    POR Katherine Babenko rápido Você duvidoso that usando psicologia masculina parágrafo funcionar vai Recupera-lo? Sera que ELA Parece Quase Bom Demais Para Ser Verdade? Como Promessas Que o Seu ex vai voltar Correndo Pará rápido Você com …

  • Como usar a psicologia masculina como …

    A dor de Uma Separação PODE causar-LHE uma ENTRAR em Pânico e Fazer Tudo o Que Puder parágrafo Manter empurrando Seu ex-namorado Cada Vez Mais longe. Você Não ESTÁ intencionalmente Fazer a SUA auto POUCO atraente para …

  • psicologia masculina parágrafo Ganhar-lo de volta

    RECOMENDADO Livros populares Sobre psicologia (Atualizado de agosto de 1999) Charles G. Morris University of Michigan Ann Arbor, MI O Seguinte São Bem Escritos, envolvente, Livros Interessantes e legível …